segunda-feira, 12 de março de 2012

Divas da Ópera: as Cantoras Brasileiras fazem bonito na área!

      Apresentação de Carmem em 2011 em Piracicaba (foto by Ivana Altafin)
"A ópera era uma forma de lazer no século XIX, tocada muito nos Saraus (um evento cultural ou musical realizado geralmente em casa particular onde as pessoas se encontram para se expressarem ou se manifestarem artisticamente).e a ópera continua em alta em pleno século XXI. O ano passado na Virada Cultural fui assistir a ópera Carmem no Teatro Municipal com amigos, voltamos hipnotizados para casa diante deste gênero que mistura canto, drama,  música... A ópera, sem dúvida, é uma das sete maravilhas culturais do mundo moderno. Vamos agora abrilhantar a Agenda Cultural com algumas divas da ópera brasileira. Bom entretendimento!"  
                                                           Ana Marly de Oliveira Jacobino
Balduína de Oliveira Sayão, mais conhecida como Bidu Sayão nasceu em Itaguaí em 11 de maio de 1902 morreu em Rockport, Maine em 13 de março de 1999. Foi parte do elenco do Metropolitan durante muitos anos. Arturo Toscanini era seu admirador, referindo-se a ela como la piccola brasiliana (traduzido do italiano, significa "a pequena brasileira"). Em fevereiro de 1938, cantou para o casal Roosevelt na Casa Branca. Roosevelt lhe ofereceu a cidadania estadunidense, mas ela recusou. De acordo com ela mesma, "no Brasil eu nasci e no Brasil morrerei". Entretanto, ela morreu de pneumonia nos Estados Unidos em 1999, antes de completar 97 anos, sem realizar um de seus desejos: rever a Baía de Guanabara...
## Ouça La Piccola Brasiliana em:  Bidu Sayão - Bachiana nº 5 - Cantilena 
                                http://youtu.be/bLZD0XplYrI
Adélia Issa nasceu em São Paulo. A soprano frequentou a Manhattan School of Music, em Nova York, e fez um curso de aperfeiçoamento com Nico Castel, na Metropolitan Opera. Em música de câmara, trabalhou sob a orientação do renomado pianista Dalton Baldwin.
Tem se apresentado por todo o Brasil, Estados Unidos e Europa, em recitais, concertos sinfônicos e em óperas, sob a regência de Eleazar de Carvalho, Isaac Karabtchevsky, Eugene Kohn, John Neschling, Aylton Escobar, Osvaldo Colarusso, e vários outros maestros de igual renome. Dentre suas atuações mais importantes em ópera destacam-se Un Ballo in Maschera de Verdi, ao lado do tenor Carlo Bergonzi, e Carmen de Bizet, com Plácido Domingo.
               ## Ouça Adélia Issa sings Bachianas Brasileiras nº 5 / Villa-Lobos (COMPLETE) Regent: Julio Medaglia : http://youtu.be/ojGdhOF05AA

Anna Maria Kieffer (São Paulo) é uma musicóloga, pesquisadora e cantora lírica, mezzo-soprano, brasileira. Lançou vários CDs como Cancioneiro da Imigração que retrata obras de povos brasileiros, imigrantes e descendentes. É responsável pela trilha sonora do filme O Retorno de Rodolfo Nanni.
É membro da EMF–Electronic Music Foundation de Albany, New York e do Instituto Brasileiro de Musicologia em São Paulo.
Em 1999, produziu o CD Ways of the Voice na na Filadélfia, com o compositor belga Leo Kupper. No repertório rezas populares do Brasil com influência da Ásia, da Europa e da África.
Em 2009 realizou concertos em Portugal com o pianista Fábio Luz interpretando obras de Villa-Lobos.

## Romance Da Nau Catarineta - Anna Maria Kieffer & Grupo ANIMA_                     http://youtu.be/tcgl2p0r7hI 

Constantina Araújo nasceu São Paulo em  28 de maio de 1922 faleceu em São Paulo, 4 de março de 1966) foi  soprano lírico-spinto.
Estudou canto lírico no Conservatório Dramático e Musical, com o professor Murino, mestre italiano de outros tantos talentos paulistas. Iniciou sua carreira musical na antiga Rádio Gazeta, emissora que dispunha de auditório onde eram levadas cortinas líricas e óperas completas em forma de concerto.
Estreou em 1947, no Teatro Municipal de São Paulo, fazendo o papel de Leonora na ópera Il Trovatore de Giuseppe Verdi. Suas apresentações nessa casa de ópera foram sempre objeto de aplauso pelo público e pela crítica. Em Porto Alegre cantou as óperas Otello, Il Trovatore e Aida.
Foi para a Europa em 1950 e, quarenta dias após ter chegado, uma substituição à última hora, no papel título da ópera Aida, foi responsável pelo deslanchar de sua careira na Europa, notadamente na Itália.
Constantina Araújo cantou em Bari, Verona, Londres, Trieste, Monte Carlo, Paris, Augsburgo, Lisboa, Gênova, Nápoles, Bolzano, Bolonha, Capri, Salsomaggiore e outras cidades.

Constantina Araujo sings "Ebben, ne andro lontana" from Catalani's "La Wally" - LIVE!             http://youtu.be/2L96nLoHJkk  

Carla Maffioletti nasceu em Porto Alegre em 1980 quando era criança começou a tocar violino para depois mudar para guitarra clássica. Seus talentos eram tão notáveis que no início de sua adolescência ela já excursionava por todo o Brasil. Na universidade iniciou aulas de canto e rapidamente desenvolveu sua voz.
Veja o espetáculo de Doll Aria with Carla Maffioletti  : http://youtu.be/2Vt8CfFylIU
Zola Amaro é o nome artístico de Risoleta de la Mazza Simões Lopes (Pelotas, 26 de janeiro de 189114 de maio de 1944). Começou a cantar aos 14 anos de idade em festas beneficentes e igrejas de sua cidade natal. A qualidade e potência de sua voz de soprano já impressionavam a comunidade musical pelotense.
No mesmo ano de 1906, casou com Antonio Amaro da Silveira, com quem teve três filhos.
Em 1915, aos 24 anos, por ocasião da temporada lírica no Teatro Sete de Abril, Zola recebe em sua casa grandes artistas europeus e conquista mais admiradores. Ao ouvi-la cantar ,Amelita Galli-Curci, soprano italiana de renome mundial, declara que Zola será a maior Norma de todos os tempos, em uma referência à obra de Bellini. Amelita foi profética: Zola Amaro foi a primeira sul-americana a apresentar-se no Teatro Scala, de Milão e tornou-se a primeira cantora lírica brasileira a obter sucesso internacional.
Em 1917, Zola viajou, com sua família, a Buenos Aires especialmente para encontrar-se com Enrico Caruso, que então se apresentava naquela Capital, e dele ouviu elogios entusiasmados, que a estimularam a seguir carreira profissional.

Carmen Monarcha nasceu em Belém, Pará em 27 de agosto de 1979 Nascida em uma família de artistas, seu pai é escritor e sua mãe, cantora. Ainda muito jovem, Carmen aprendeu a tocar violoncelo e piano, estudando inicialmente para tornar-se violoncelista de concerto. No entanto, começou a aperfeiçoar sua voz e a receber lições de canto, tornando-se cantora lírica. Durante sua carreira artística, conheceu a cantora Carla Maffioletti e dela tornou-se amiga. Ambas partiram juntas para estudar canto no conservatório de música Conversatorium Maastricht, nos Países Baixos. Lá, foi contratada como vocalista pelo maestro André Rieu, realizando turnês na Europa e Estados Unidos com a Orquestra Johann Strauss. Carmen cativou os ouvintes cantando Vilja Lied.
Recebeu o aplauso da crítica ao vencer o Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão, competição anual realizada no Brasil, cujo nome homenageia a famosa cantora de ópera Bidu Sayão.

Carmen Monarcha canta Ave Maria: http://youtu.be/OGaMl3ICvWE 

Gonçalves, R. Uma Breve Viagem pela História da Ópera Barroca, cap. 1 e 2. SP: Clube de Autores, 2011 - Disponível em https://clubedeautores.com.br/book/87392--Uma_Breve_Viagem_pela_Historia_da_Opera_Barroca [http://www.suapesquisa.com/musicacultura/opera.htm Ópera O que é, programação, história, óperas famosas

http://www.andrerieufans.com/http://andrerieu.com/site/index.php?id=music-orchestra&L=1&tx_arpbvorkest_pi1%5BshowUid%5D=51&cHash=92dce81e3b



Sarau Literário Piracicabano
Sarau Literário faz justa homenagem a um ano do falecimento do grande escritor e médico: Moacyr Jaime Sclia e também a Luzia Stocco (atriz, escritora, professora)
 _Tema: "Mulher seu nome é poesia"
Em conjunto com o Sarau: Exposição dos trabalhos poéticos dos escritores trabalhados artisticamente por Carmelina Toledo Piza  Local: Teatro Municipal Dr. Losso Netto 
Data: 13 de Março a partir das 19h30                      fotos:google_  youtube




6 comentários:

  1. Gosto muito de ópera, e aprendi bastante nas conversas com o maestro Joaquim Alvaro. Das Divas brasileiras, vale recordar Niza Tank - que ouvi pela primeira vez no programa Intermezzo, programa de rádio de uma emissora de Campinas.

    Justíssimo "post", Ana!

    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. Luzia Stocco12/3/12 13:05

    Adorei a pesquisa. Sou encantada por óperas! Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Agradeço a visita do meu querido afilhado Richard e vale a lembrança de Nilza Tank, infelizmente tive que escolher algumas, mas ficou nomes maravilhosos de fora da homenagem, mas precisamos lembrar das musas...Abraços Poéticos desta CaipiracicabANA Marly de Oliveira Jacobino

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pela visita Luzia e vamos ao Sarau para a justa homenagem a Scliar e você. Abraços Poéticos desta CaipiracicabANA Marly de Oliveira Jacobino

    ResponderExcluir
  5. Querida amiga

    Sempre que escuto
    uma ópera,
    me sinto mais
    próximo do paraíso,
    tamanha a sua beleza,
    vida
    e entrega.


    Desejo que a alegria
    faça folia em sua vida.

    ResponderExcluir
  6. Uau! O Professor Aluisio veio visitar a Agenda e deixou um comentário repleto de saber poéticos. Obrigada, Mestre você sempre!Abraços Poéticos desta CaipiracicabANA Marly de Oliveira Jacobino

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário