terça-feira, 18 de julho de 2017

"Melodia" e Trio Marayá!

O "Melodia", como o chamávamos carinhosamente, sempre foi uma pessoa da melhor qualidade, sempre disposto a ajudar a todos. Aprendi muita coisa com ele e o considero um verdadeiro irmão. Hoje a festa no outro plano deve estar ótima! Marconi, luz e paz pra você. Flávio Augusto Vieira Gonçalves
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo
E hoje é seu aniversário (18/7), se estivesse aqui completaria 80 anos . Aí onde estiver devem estar comemorando, porque mesmo a distância comemoramos aqui o seu dia . O dia que nasceu o cara mais incrível e maravilhoso que já existiu , que foi um super pai , um super amigo um super avô , marido ..... Onde você estiver, Parabéns. Te amo meu velho ! _ Seu filho Adriano Marconi
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadas
Uma homenagem do Sarau Literario Piracicabanoao Trio Marayá (ao saudoso Maestro Marconi que hoje estaria aniversariando). Ouça e viva a melodia afinada do Trio Marayá: QUE SERÁ DE TI - TRIO MARAYÁ
https://www.youtube.com/watch?v=5Ngt1hkYM0g

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Trio Marayá - Full Album _ https://www.youtube.com/watch?v=uUnnrgmyFe0


sábado, 15 de julho de 2017

Lindolf Bell o poeta ousado...

Conheça esse poeta brasileiro que revolucionou o método de divulgar a poesia...Ana Marly de Oliveira Jacobino
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado e planta

Lindolf Bell (1938-1998)
Nascido em Timbó em 1938, Lindolf Bell transformou-se em um dos maiores poetas do Estado. No fim da década de 1950, mudou-se para o Rio de Janeiro onde conheceu pessoalmente ícones da literatura como Cecília Meireles e Carlos Drummond de Andrade. Foi responsável pelo primeiro programa televisivo dedicado à poesia no país, veiculado na TV Coligadas, de Blumenau, e participou da 1ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em 1970. Um ano depois, publicou Annamárias, seu grande sucesso. O poeta mudou a forma de divulgar as poesias e suas obras acabaram publicadas e traduzidas para diversas línguas...
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo
Lindolf Bell, foi um nome ligado à invenção lógica, à ousadia, à uma capacidade mágica. Seguindo seus impulsos rompeu as amarras que prendiam a poesia, tornando e exigindo o contato direto com o leitor. Bell também difundiu suas idéias através de painéis-poemas, corpoemas...
Se o ofício do poeta é redescobrir a palavra, como dizia o autor de As Vivências Elementares, nosso ofício é o de redescobrir o poeta, através de suas palavras, tais como aquelas presentes na Metafísica Cotidiana: procuro a palavra-palavra a palavra fóssil, a palavra antes da palavra”. Esse impulso rumo às origens nos torna mais sensíveis e profundos.
http://www.lindolfbell.com.br/Biografia.php
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
Do Amor
Meu nome é: 

eu-te-lavro-na-manhã-na-memória 
eu-estou-estarei-contigo-para-sempre 


Meu desejo é:
atenderei a tua sede
e esquecerei meu nome

Eternamente 

Lindolf Bell, in 'As Vivências Elementares'
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, barba

Amor Mais Perfeito
Amor mais perfeito
não é feito do fácil.
Floresce por dentro
embora se pretenda que cesse. 
E quando nas águas da pressa
foge o amor mais depressa,
é tempo de saber
quanto dura
o tempo de não saber.

Lindolf Bell, in 'Incorporação'

sábado, 1 de julho de 2017

SR. BRASIL

SR. BRASIL (Rolando Boldrin) um brasileiro de verdade!
A imagem pode conter: 1 pessoa, barba

Rolando Boldrin tinha 10 anos quando viu pela primeira vez Alvarenga e Ranchinho. O menino de cabelo loiro branco, danado como todo moleque criado solto no interior, ficou paralisado. Com verve afiada, a dupla entremeava a cantoria com histórias ouvidas aqui e acolá, garimpadas em conversas despretensiosas, cujo arremate enseja graça irrefreável. A cidade era São Joaquim da Barra, o palco, o picadeiro de um circo. Roda Viva | Rolando Boldrin | 26/06/2017

A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up
Aos 80 anos, Rolando Boldrin celebra em disco o Brasil caipira capaz de rir de si mesmo com poesia
O cantor, ator e apresentador do programa Sr. Brasil, Rolando Boldrin, declama o poema ‘Pitoco’, o qual retrata, de uma forma muito comovente, uma das maiores amizades que pode existir: a entre um menino e seu cão.
https://www.youtube.com/watch?v=lBNKucbSrmM
A imagem pode conter: céu, atividades ao ar livre e natureza

A matéria-prima de Rolando Boldrin é o caipira criativo e gozador, a rir da própria desgraça e da alheia. Um caipira capaz de produzir modas impermeáveis ao tempo, como Romance de uma Caveira (Alvarenga e Ranchinho), que com galhardia narra o infortúnio do esqueleto trocado por um “defunto fresco”. Talento e qualidade que em nada lembram a música sertaneja. “A caipira é a tradicional cantada em dueto, quanto mais simples o arranjo, mais puro é. Ela trata um assunto passional de forma completamente diferente da sertaneja de alto consumo, cujas melodias românticas de gosto popularesco têm arranjos influenciados por gêneros estrangeiros.”
https://www.cartacapital.com.br/…/rolando-boldrin-dos-quint…

sábado, 24 de junho de 2017

Ivan Lins e Rafael Alterio

Este tipo de música faz a gente esquecer os problemas... Música caipira tão linda... Ana Marly de Oliveira Jacobino
A imagem pode conter: 1 pessoa, barba
Você precisa reconhecer o paulistano Rafael Altério, que se dedica ao trabalho musical e de composição desde 1992, já foi premiado nos mais importantes festivais de música brasileira. Rafael Altério já teve músicas suas gravadas por Jane Duboc – a faixa em parceria com Rita Altério “Quando alguém cantar”, do CD “Todos os caminhos” – e por Chico Buarque – canção em parceria com Cristina Saraiva, de seu CD inédito “Só canção”. Parceiro e amigo de Ivan Lins!

Ivan Lins e Rafael Alterio - Sertaneja _https://www.youtube.com/watch?v=KGENIB8MdAo
A imagem pode conter: 1 pessoa, no palco, em pé e tocando um instrumento musical
Este tipo de música faz a gente esquecer os problemas... Música caipira tão linda...Ivan Lins e Rafael Alterio - Dedo de Prosa _https://www.youtube.com/watch?v=IrUxRmfB_a8

A imagem pode conter: 1 pessoa, no palco, tocando um instrumento musical e em pé
Este mundo em que vivi e sinto ... linda composição abraçada por uma melodia irresistível... Faz a gente esquecer as dores!
Ivan Lins e Rafael Alterio - Atrás Poeira _https://www.youtube.com/watch?v=hNnbioz5r1A
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, close-up
Uma amizade muito rica em beleza melodiosa... Vem comigo amor viver no interior...Ivan Lins e Rafael Alterio - Vem Comigo _https://www.youtube.com/watch?v=oQsY7S8SF7w

sábado, 10 de junho de 2017

Você precisa conhecer melhor: Luiz Pié


Um timbre de voz muito semelhante ao saudoso Emílio Santiago... parabéns Luiz Pié! Ana Marly de Oliveira Jacobino


Luiz Pié - Encontro das águas _https://www.youtube.com/watch?v=aq58cJVnnRc
A imagem pode conter: 1 pessoa

Vila Isabel, Rio, 2015. Alguns músicos aguardam o cantor Luiz Pié em um estúdio para ensaiar o show que farão com ele na quarta, dia 18, no Teatro Rival Petrobrás. Seu disco de estreia, Memória Afetiva, tem tratamento luxuoso. A produção e os arranjos são de Roberto Menescal e o cantor Milton Nascimento faz participação especial em Pai Grande. O repertório tem harmonias encrencadas que passam por Luiz Bonfá e Antonio Maria (Manhã de Carnaval), Carlos Lyra e Vinícius de Moraes (Sabe Você), Danilo Caymmi e Dudu Falcão (O Bem e o Mal). “Ele nasceu cantor, não tem como explicar”, diz Milton Nascimento. “Essa voz é tudo que eu gostaria de ter na vida”, fala também Menescal.

Luiz Pié e Milton Nascimento - Pai Grande _https://www.youtube.com/watch?v=lN-7wS8QM4A
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé
 Luiz Pié aqui faço um pequeno tributo para você (e Milton "Bituca" Nascimento... tempos de tanta corrupção sendo revelada (tanta mediocridade) ouço Milton Nascimento e você Luiz Pié tenho orgulho de vocês trazendo tanta musicalidade na nossa MPB!

O telefone do estúdio toca e o empresário atende. “Vai entrevistar o Luiz? Só um momento.” Os 20 anos que se passaram desde que a caixa de papelão chegou ao orfanato parecem um século de revoluções na vida de Luiz Fernando Gonçalves Martins, ex-Pelezinho, atual Luiz Pié. Ele viveu dos 3 aos 17 anos no orfanato depois que sua mãe, moradora de rua, foi deposta da própria maternidade pelo Conselho Tutelar. Com o tempo, as poucas imagens que ele tinha na lembrança de uma mulher que o alimentava deixaram de existir. “Não sei mais se minhas lembranças são reias ou sonhos”, conta.(...) Pié chegava a investir R$ 20 por dia – uma fortuna para quem andava com a mesma roupa por um mês – em frente a um computador para pesquisar a obra de seus ídolos. Gente como Gal Costa, Caetano, Djavan, Nana e Caymmi, todos que haviam chegado em forma de LP na velha caixa de papelão. Depois de vasculhar o site de Caetano, que se tornaria seu primeiro ídolo, seguiu para o de Dorival e, depois, Nana, Emílio Santiago, Gilberto Gil. “Eu saía da lan house cantando em plena Cracolândia.” E o que será que o segurava contra as seduções do roubo e os alívios do crack nos dias em que as paredes do estômago colavam umas às outras? “Fui salvo pela oportunidade.”...
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, close-up
Um timbre de voz muito semelhante ao saudoso Emílio Santiago... parabéns Luiz Pié!
Luiz Pié - Encontro das águas _https://www.youtube.com/watch?v=aq58cJVnnRc
A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up e área interna
Marcos Valle chama atenção para uma outra questão importante: a figura de Emílio Santiago deve perseguir Pié, independentemente de sua vontade. Uma referência estupenda que lhe fará bem no momento em que sua identidade for mais bem definida. Ela começa agora, em belas amostras de delicadeza que aparecem em A Volta (de Menescal e Bôscoli) - que perfeita estaria sem os poucos ataques súbitos aos graves -, no samba de Ciúme (de Carlos Lyra) e em Pai Grande, um carinho paterno de Milton Nascimento. Nem todo Luiz Pié está aqui, mas assim é seu começo. E sua obrigação diante da música - agora, mais do que nunca - é ser feliz e devolver a ela cada nota que lhe salvou...

Saiba mais sobre este jovem interprete da nossa MPB clicando no endereço a seguir:
http://cultura.estadao.com.br/noticias/musica,luiz-pie--o-ex-interno-de-orfanato-que-empolga-a-mpb,10000001982

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Junho: Festas Juninas no sabor da pamonha...

"Pamonhas, pamonhas! Pamonhas fresquinhas, pamonhas de Piracicaba!” 
Festas Juninas o doce sabor do milho verde! Ana Marly de Oliveira Jacobino

A imagem pode conter: comida
A venda da iguaria em Piracicaba é um convite para diferentes roteiros: um passeio pela ponte pênsil sobre o rio Piracicaba; pelo Mercado Municipal e sua arquitetura com mais de 120 anos; no turismo rural ou recém-ampliado complexo de compras da cidade; ou, sem muitas desculpas, para conferir a tradição da produção com receita de família.
O roteiro da pamonha pode começar pelos quiosques turísticos concentrados em três pontos às margens do Rio Piracicaba – na entrada do Engenho Central, via ponte pênsil (na avenida Beira-Rio, Centro); no final da Rua do Porto (avenida Alidor Pecorari), próximo ao núcleo de restaurantes; e em frente ao Parque da Rua do Porto. Os pontos de vendas funcionam aos sábados e domingos entre 11h e 19h.
http://hi-mundim.com.br/o-mapa-da-pamonha-de-piracicaba/
A imagem pode conter: comida
Dirceu Bigelli é o autor do slogan criado na década de 70 que virou sucesso.
“Olha aí, olha aí freguesia. São as deliciosas pamonhas de Piracicaba . Pamonhas fresquinhas, pamonhas caseiras. É o puro creme do milho verde”. 
O dono da voz de sotaque caipira, que ainda ecoa nos altos-falantes, é Dirceu Bigelli, que morreu em 1990, aos 39 anos, vítima de um acidente automobilístico. A propaganda foi gravada em fita K7.

A imagem pode conter: comida
A fita cassete com a gravação na voz de Dirceu foi espalhada para cerca de 300 automóveis, que percorriam os estados de São Paulo, Paraná e Minas Gerais. É a voz de Dirceu que ainda predomina nas propagandas, mesmo que a pamonha não seja de Piracicaba.
A imagem pode conter: céu, árvore, nuvem, montanha, atividades ao ar livre, natureza e água
Para levar a pamonha de Piracicaba até o seu arraiá...
Ingredientes:
-2 dúzias de espigas de milho-verde com a palha
-3 xícaras (chá) de açúcar
-2 colheres (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
-1 xícara (chá) de leite
Modo de Preparo:
Retire a palha das espigas, sem rasgá-la. Reserve. Rale o milho em ralo grosso. Aos poucos, bata no liquidificador até ficar bem triturado. Coloque numa tigela e junte o restante dos ingredientes. Misture bem. Se necessário, ponha mais leite. Dobre as laterais da palha para o centro, sobrepondo uma à outra. Dobre a parte inferior para cima, encha com cerca de 1/2 xícara (chá) da mistura de milho. Envolva com outra palha de milho. Dobre a parte superior para baixo e amarre com tiras da própria palha. Ponha os pacotinhos numa panela grande com água fervente. Cozinhe até a pamonha endurecer.

Cantinho da Poesia

Flores!? Escondem-se no inverno
Aquietam-se os desejos
Dormitam os fungos.
Ferida a terra se resseca
Frio!? Vida camuflada no cercear
Analgésico do monstro virtual
Inventado pela mídia
Horrorizada pela beleza,
Flores!? Ressecam-se no inverno
Podam letargias
Mancham suas folhas
Refletem vícios e virtudes,
Voluntariosa!
Mentirosa!
Viçosa!

sábado, 20 de maio de 2017

Rachel Louise Carson

A imagem pode conter: 1 pessoa, filho e close-up
Rachel Louise Carson foi bióloga e escritora responsável pela maior revolução ecológica dos Estados Unidos e do mundo, quando lançou o livro “Primavera Silenciosa” (Silent Spring), em outubro de 1962. Apesar do título poético – uma referência ao silêncio dos pássaros mortos pela contaminação dos agrotóxicos -, nunca um livro fez tanto barulho a favor do meio ambiente. No primeiro capítulo, “Uma Fábula para o Amanhã”, a autora descreve, liricamente, um lugar onde as árvores não davam folhas, os animais morriam, os rios contaminados não tinham peixes e, principalmente, os pássaros que cantavam na primavera haviam sumido. Mas, nos 16 anos seguintes, Carson, de maneira demolidora, explicou e denunciou o perigo dos pesticidas..
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
Rachel Louise Carson falou:
                              Darwin
“Se Darwin estivesse vivo nos dias de hoje, o mundo dos insetos o encantaria e desconcertaria com as confirmações relacionadas às teorias que ele elaborou, a propósito da sobrevivência do mais adaptado. Sob os efeitos venenosos da pulverização intensiva dos inseticidas, os membros fracos das populações de insetos estão sendo varridos da existência.” 

                             Insetos
“Muito antes da idade do homem, os insetos já habitavam a Terra, compondo um grupo de seres extraordinariamente variados e adaptáveis. No curso do tempo, a contar do advento do homem, uma pequena percentagem de mais de meio milhão de espécies de insetos entrou em conflito com o bem-estar humano por duas formas principais: como competidores no consumo do abastecimento de comida e como transmissores de doenças.”
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado e atividades ao ar livre

Rachel Carson escreveu:
                                           Pesticidas

“A partir de meados de 1940, mais de 200 substâncias químicas, de ordem básica, foram criadas para uso e matança dos insetos, de ervas daninhas, de roedores e de outros organismos que, no linguajar moderno, são descritos como “pestes” ou “pragas”, e elas são vendidas sob milhares de denominações diferentes de marcas. Estes borrifos, estes pós e aerossóis são agora aplicados quase universalmente em fazendas, jardins, florestas e residências.”


“São substâncias químicas não seletivas, que têm poder para matar toda espécie de insetos, tantos os ‘bons’ como os ‘maus’. Têm poder para silenciar o canto dos pássaros e deter o pulo dos peixes na correnteza; para revestir as folhas das plantas com uma película mortal e para perdurar, embebidas no solo.”


Fonte: “Testemunha para a Natureza”, de Linda Lear, 1997 e “Primavera Silenciosa”, de Rachel Carson, Edição Melhoramentos, 1962.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Sentires...

Com o tempo, você vai percebendo que, para ser feliz, você precisa aprender a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.”  Mario Quintana

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

A imagem pode conter: 2 pessoas, barba e área interna
Henrique Mann e Mario Quintana  - foto: Dulce Helfer

                          O auto-retrato 


No retrato que me faço
- traço a traço -
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore...

às vezes me pinto coisas
de que nem há mais lembrança...
ou coisas que não existem
mas que um dia existirão...

e, desta lida, em que busco
- pouco a pouco -
minha eterna semelhança,

no final, que restará?
Um desenho de criança...
Corrigido por um louco!
- Mario Quintana, in: Apontamentos de História Sobrenatural, 1976.

A imagem pode conter: flor
haikai para a mãe - Ana Marly De Oliveira Jacobino

botão róseo
enigma natural
floresce mãe

A imagem pode conter: flor, planta, natureza e atividades ao ar livre


senryu para Fátima- Ana Marly De Oliveira Jacobino
treze de maio
milagroso dia
venceu a luz
*aqui esta sua devota pedindo que a carregue junto ao peito e a cure .Amém!

segunda-feira, 1 de maio de 2017

A nossa MPB cada vez mais pobre dos Poetas_ Letristas...Belchior

"Não quero lhe falar meu grande amor...Como nossos pais... " Belchior um ourives da poesia...adeus! 
A imagem pode conter: 1 pessoa, no palco, tocando um instrumento musical e violão

... Não me peça que lhe faça uma canção como se deve Correta, branca, suave, muito limpa, muito leve

Sons, palavras, são navalhas e eu não posso cantar como convém 
Sem querer ferir ninguém
Mas não se preocupe meu amigo com os horrores que eu lhe digo 
Isso é somente uma canção, a vida, a vida realmente é diferente
Quer dizer, ao vivo é muito pior 
Eu sou apenas um rapaz latino-americano, sem dinheiro no banco... ** BELCHIOR 
APENAS UM RAPAZ LATINO AMERICANO - BELCHIOR_ https://www.youtube.com/watch?v=Wk9JsWYIlWE


“Eu prefiro andar sozinho. Deixem que eu decida a minha vida. Não preciso que me digam de que lado nasce o sol, porque bate lá meu coração”. ** BELCHIOR

Um compositor refinado, cujas referências poéticas passavam por Fernando Pessoa, Arthur Rimbaud, T.S. Elliott e João Cabral de Melo Neto, Belchior não escapava às comparações com o americano Bob Dylan, por causa do timbre anasalado e os longos versos espremidos nas canções, às vezes de forma falada. 

OUÇA NA SUA VOZ: **COMO NOSSOS PAIS - BELCHIOR**

sábado, 29 de abril de 2017

Educadores

Você conhece esses Educadores brasileiros?
A imagem pode conter: 1 pessoa, barba, óculos de sol e óculos

Apesar de ser graduado em direito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Paulo Freire ( (1921 - 1997) ) dedicou a vida aos estudos da educação. Foi um dos responsáveis pela criação da Teoria Crítica que visa o contexto social e cultural em que o aluno está inserido. O estudioso implantou no Brasil o método de compreensão da alfabetização a partir de palavras-chave que possibilitou a mais de 300 alunos, principalmente, adultos, a ler e escrever em 45 dias. Freire ainda defendeu a criação de um currículo organizado por temas que partem de situações concretas vivenciadas pelos estudantes, onde há uma construção coletiva entre professor e aluno que busca a interdisciplinaridade. 
A carreira no Brasil foi interrompida pelo golpe militar de 31 de março de 1964. Acusado de subversão, ele passou 72 dias na prisão e, em seguida, partiu para o exílio... (Terra)
Resultado de imagem para foto de dermeval saviani

Dermeval Saviani (1943)


Formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), o educador leciona até hoje na entidade de ensino na qual se formou, onde realiza diversos projetos e pesquisas na área educacional, especialmente, na defesa de análise crítica dos conteúdos agregada ao ensino das matérias comuns da escola. Criou, ao lado de José Carlos Libâneo, entre o final da década de 70 e início da década de 80, a Teoria Crítica-Social dos Conteúdos, que afirma que a escola, principalmente a pública, e os conteúdos apresentados em sala de aula devem levar a reflexão dos alunos. O estudo foi criado em contrapartida ao momento político da época, no qual ditadura militar presente no Brasil censurava grades curriculares que levavam o aluno a ponderar questões históricas e sociológicas... (Terra)

Uma pitada de poesia:
A imagem pode conter: atividades ao ar livre

Resvalei meus pés andarilhos
por becos, ruas, avenidas, vielas.
Descalços, se permitiam contar
uma a uma, as pedras portuguesas...
elas, relincham mentiras capciosas,
cacarejam mantras num conselho,
coordenado por palavras abstratas!
Amor, calor, ilusão, saudade, vida...


sábado, 22 de abril de 2017

Historiadoras...

Apenas para lembrar de duas das várias Historiadoras as da nossa pátria brasilis.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado

Maria Yedda Linhares talvez seja um dos principais nomes da historiografia brasileira. Graduada e doutora em história pela antiga Universidade do Brasil, atual UFRJ, suas principais contribuições historiográficas foram no campo da História do Brasil. Dentre elas, destacam-se inúmeras publicações, como História Agrária Brasileira: combates e controvérsias, História Geral do Brasil, Terra e Alimento, Panorama dos 500 Anos de Agricultura no Brasil, e sua participação na criação do campo de estudos de História Agrária.

Durante a ditadura militar, Maria Yedda foi perseguida, presa e aposentada compulsoriamente. Com apoio de intelectuais como Fernand Braudel e Jean Paul Sartre, a historiadora se exilou na França, onde lecionou por vários anos. Quando retornou ao Brasil, Maria Yedda Linha voltou à atividade de professora e pesquisadora. Além disso, durante o governo de Brizola foi secretária de educação do Rio de Janeiro.
A imagem pode conter: 1 pessoa
Maria Odila Leite da Silva

Sem sombra de dúvidas, Maria Odila é uma das historiadoras brasileiras mais reconhecidas no cenário acadêmico. Graduou-se em história pela Universidade de São Paulo, onde desenvolveu suas pesquisas de mestrado e doutorado com orientação de Sérgio Buarque de Holanda.

Sua obra é vasta! Temas sobre escravidão, relações de gênero, historiografia e teoria da história são contemplados pelo olhar crítico da historiadora em publicações acadêmicas, como artigos científicos e livros.

Trata-se de uma historiadora que dedicou sua vida à carreira de pesquisadora e docente.



                                Minha poesia para você Leitor:
Nenhum texto alternativo automático disponível.
Catálogos_  Ana Marly De Oliveira Jacobino

Sorte da balconista daquela livraria!
Soltou as palavras antes da minha
mordida mortal.
Voltei a devorar páginas catalogadas
para carregar as orações.
Vez, ou, outra sofro da inanição,
presente, naquela balconista morena.
Recordam da mordida inicial!
Oração subordinada feito pedido.
“Aguardo que você traga meu livro!”
Vou esperar mais um pouco...
Não quero mordê-la, agora!




sábado, 15 de abril de 2017

Filosofas brasileiras...


VOCÊ CONHECE estas FILÓSOFAS BRASILEIRAS:

Marilena de Souza Chaui nasceu na cidade de São Paulo, no dia 4 de setembro de 1941...A filósofa ingressou no curso de filosofia da Universidade de São Paulo em 1960, graduando-se em 1965. Ela defendeu sua dissertação de mestrado, intitulada Merleau-Ponty e a crítica do humanismo, em 1967, orientada pelo Professor Doutor Bento Prado de Almeida Ferraz Júnior. Neste mesmo ano ela deu início ao seu doutorado na França, defendendo tese sobre o filósofo Espinosa, em 1971, também na USP, sob a orientação da Doutora Gilda Rocha de Mello e Souza. Sua produção acadêmica conquistou grande êxito, mas alguns de seus trabalhos, escritos em estilo didático e singelo, de fácil compreensão, propiciam seu sucesso também entre as pessoas leigas, desvinculadas do universo acadêmico.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, close-up
"As pessoas que, desgostosas e decepcionadas, não querem ouvir falar em política, recusam-se a participar de atividades sociais que possam ter finalidade ou cunho políticos, afastam-se de tudo quanto lembre atividades políticas, mesmo tais pessoas, com seu isolamento e sua recusa, estão fazendo política, pois estão deixando que as coisas fiquem como estão e, portanto, que a política existente continue tal qual é. A apatia social é, pois, uma forma passiva de fazer política.
Marilena Chaui
A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos e close-up
Viviane Mosé 
Nasceu em Vitória, 16 de janeiro de 1964 é uma poetisa, filósofa, psicóloga, psicanalista e especialista em elaboração e implementação de políticas públicas. Mestre e doutora em filosofia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Publicou sua tese de doutorado Nietzsche e a grande política da linguagem em 2005 pela editora Civilização Brasileira.
Escreveu e apresentou, em 2005 e 2006, o quadro Ser ou não ser, no Fantástico, onde trazia temas de filosofia para uma linguagem cotidiana.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Tudo o que vejo__ Viviane Mosé
Era tarde nas janelas da sala,
Um gosto de tarde que eu queria lamber.
Tenho vontade de lamber as coisas que gosto,
Mesmo as que não gosto costumo lamber sem querer.
Às vezes com a língua mesmo.
Molhada e escorrida.
Outras vezes uso a língua da palavra,
Quando tem cheiros ruins
Ou asperezas estranhas ao paladar de minha pessoa,
Ou por nada mesmo por gosto
Passo a língua nas coisas que vejo
E passo as coisas que vejo pra língua.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Você conhece Herta Müller:


Herta Müller: 
escritora romena naturalizada alemã ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura 2009, A escritora não fazia parte do hall de apostas dos especialistas, que tinham como favorito o israelense Amós Oz, seguido da argelina Assia Djebar e da americana Joyce Carol Oates. Segundo a academia, Herta, "com a concentração da poesia e a franqueza da prosa, pinta o panorama dos despossuídos".
A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up

Herta Müller:Ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura 2009 Foto: Jens Meyer/AP
A imagem pode conter: 1 pessoa
No Brasil, há apenas um livro seu em português: O Compromisso, que narra a história de uma ex-operária da indústria têxtil perseguida pela polícia secreta da Romênia.
A imagem pode conter: atividades ao ar livre
Herta faz uma espécie de retorno ao passado e às experiências pessoais para mostrar o mundo terrível de adversidades e humilhações que ela mesma viveu na Romênia comunista, um país tomado pelas trevas de um regime repressor, numa sociedade onde a oportunidade é limitada, a delação se tornou uma instituição extra-oficial e a confiança no próximo é uma raridade escassa tanto quanto um prato de comida decente ou um belo sapato feminino. A autora descreve uma nação habitada por cidadãos que, em boa parte, recorrem ao álcool para suportar uma rotina burocratizada, onde nada de interessante parece acontecer.

O COMPROMISSO
autor: Herta Muller
editora: Globo




terça-feira, 4 de abril de 2017

Ethevaldo Siqueira o homem da tecnologia

“Nenhuma idolatria pela tecnologia. O papel da mídia é buscar a verdade, o bem de todos.” Ethevaldo Siqueira 

A imagem pode conter: 1 pessoa, terno e óculos

Ele é genial... orgulho de tê-lo entre os nossos maiores pensadores:
O convidado do Roda Viva (3/04/2017) segunda-feira foi o jornalista Ethevaldo Siqueira. Nascido em Monte Alto, no interior de São Paulo, ele se tornou um jornalista especializado em tecnologia digital muito antes que as tecnologias digitais fossem incorporadas ao cotidiano das redações. Contemplado com o Prêmio Esso de Jornalismo em 1968 e 1978, cobriu, entre outros assuntos, o desenvolvimento dos programas espaciais dos Estados Unidos e da extinta União Soviética, a chegada do homem à Lua, as revolucionárias mudanças tecnológicas no Brasil e no mundo e o surgimento da Internet das Coisas.

A imagem pode conter: 1 pessoa

Roda Viva | Ethevaldo Siqueira | 03/04/2017

domingo, 2 de abril de 2017

ARTEMISIA GENTILESCHI e seu horrível relato de estupro


O horrível relato de ARTEMISIA GENTILESCHI:
"Trancou o quarto a chave e depois me jogou sobre a cama, imobilizando-me com uma mão sobre meu peito e colocando um dos joelhos entre minhas coxas para que não pudesse fechá-las. E levantou minhas roupas, algo que lhe deu muito trabalho. Pôs um pano em minha boca para que não gritasse. Eu arranhei seu rosto e arranquei seus cabelos."
Esse é o relato de um estupro ocorrido há quatro séculos, mais especificamente no ano de 1611.
A vítima era a italiana Artemisia Gentileschi, uma artista cujo talento pode ser comprovado pelo fato de ter sido a primeira mulher aceita na Academia de Belas Artes de Florença, na Itália, a mesma pela qual passou Michelangelo.
A imagem pode conter: 1 pessoa, violão
ARTEMISIA GENTILESCHI :
Além de ter sido estuprada, ela teve de aguentar ver o agressor livre e sua denúncia questionada abertamente.
Para piorar, Artemisia sofreu com a indiferença e a rejeição do mundo artístico de sua época por ser mulher, e passou pela humilhação de ver a autoria de seus quadros atribuída a seu pai e outros artistas masculinos.
Mesmo depois de morta, durante séculos foi considerada apenas uma curiosidade, uma raridade exótica e menor na história da arte.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado
ARTEMISIA GENTILESCHIEm 1610, por exemplo, pintara Susana e os Velhos, quadro que se baseia no relato da parábola de Susana - uma mulher casa assediada sexualmente por dois senhores e que foi acusada de adultério quando se recusou a ter relações com eles. Segundo o escrito bíblico, Susana só escapou da morte por apedrejamento por intervenção do profeta Daniel.
A beleza do quadro fez com que muitos considerassem que a artista, então com 17 anos, não o teria pintado sozinha, e sim orientada pelo pai.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, sapatos e área interna
ARTEMISIA GENTILESCHI :Passou a vida pintando e chegou a ter certa fama, mas caiu em profundo e longo esquecimento após sua morte, em 1654, em Nápoles.
Foi apenas na segunda metade do século 20 que sua arte começou a ser novamente apreciada por alguns críticos e seu nome, desenterrado. Mas sua "ressurreição" mesmo ocorreu com sua conversão em ícone feminista.
                                                                      http://www.bbc.com/portuguese/geral-38594660