terça-feira, 31 de março de 2009

Cecília Meireles em Rio das Pedras?


Cecília Benevides de Carvalho Meireles nasceu em 7 de novembro de 1901, no Rio de Janeiro. Órfã de pai e mãe desde os três anos de idade, foi criada pela avó materna. Cecília Meireles iniciou-se na literatura participando da chamada "corrente espiritualista", sob a influência dos poetas que formariam o grupo da revista Festa, de inspiração neo-simbolista. Posteriormente afastou-se desses artistas, sem, contudo, perder as características intimistas, introspectivas, numa permanente viagem interior. Em vista disso, sua obra reflete uma atmosfera de sonho, de fantasia e, ao mesmo tempo, de solidão e padecimento, como afirma a escritora:
"Mas creio que todos padecem, se são poetas. Porque, afinal, se sente que o grito é o grito; e a poesia já é o grito (com toda a sua força) mas transfigurado."


Na poesia "Canção", procure lê-la da mesma forma que Cecília Meireles leu a realidade que a cercava, ou seja, com a razão, com o coração e com os sentidos.


"Nunca eu tivera querido
dizer palavra tão louca:
bateu-me o vento na boca,
e depois no teu ouvido.


Levou somente a palavra,
deixou ficar o sentido.
O sentido está guardado
no rosto com que te miro,
neste perdido suspiro
que te segue alucinado,
no meu sorriso suspenso
como um beijo malogrado.


Nunca ninguém viu ninguém
que o amor pusesse tão triste.
Essa tristeza não viste,
e eu sei que ela se vê bem...
Só se aquele mesmo vento
fechou teus olhos, também..:"


Consolação mineira
(Richard Mathenhauer)

Olacyr lamentou
Que a Mãe teve
De se desfazer das galinhas
Que ciscavam
Mineiramente no quintal
- É ladrão, uai!
Olacyr disse ter chorado
Não pelas galinhas expatriadas
Mas pelo quanto custa a vida:
Que neste mundo
Nem galinhas se pode ter no quintal.
Consolaram-se Olacyr e Mãe
Plantando pés de árvore,
Flor e poesia no terreno ermo.
Quando flores e frutos e versos houver
(E em Minas se plantando tudo dá)
Mãe e Olacyr, ambos de cotovelos na janela,
Rememorando as galinhas
- As dadas e as roubadas -
Hão de poemar, que
“Aqui onde hoje há flores e frutos
Outrora houve penas.”
Convite:
Sarau Literário “Companheiros de Prosas e Versos” de Rio das Pedras

Convido você a participar do 1º Sarau Literário de Rio das Pedras, no dia 7 de abril de 2009, com início às 19h30, na Associação Cultural PAINCO, na rua Moraes Barros, 731, Bom Jesus (antigo Clube de Campo da Usina, próximo à Usina Bom Jesus).

Programação:

Textos de Cecília Meireles, Cora Coralina e Lya Luft.

Declamação de “José”.
Leitura das poesias enviadas por participantes do Sarau.

Trilha musical da noite: “Isto é a Felicidade”, “Lua Branca”, “Maringá”, “Naquela Mesa”, “Piracicaba”, “Chuá, Chuá”, “Trem das Onze” e “Está Chegando a Hora”.

Venha participar deste encontro entre amantes da literatura e poesia!

Abraços,
(Richard Mathenhauer)


Escute Cecília Meireles declamando a poesis Retrato; clique logo abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=y2hhJLAAEDM

4 comentários:

  1. SENACIONAL!!!Cecila...Como esse blog anda chique hein!Beleza pura!Abraços...

    ResponderExcluir
  2. Ana Marly, adicionei para você a Cia. Pro-Cênica na lista de blogs favoritos. Quando tiver mais tempo, explico como faz. Achei um pouco chatinho o sistema no blogspot!
    Abração e tudibom!!!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo3/4/09 07:20

    Rodrigo: que seria deste blog sem você! Acabo de promovê-lo a "Sir Rodrigo Alves" o salvador dos bloguistas inesperientes!

    Abrços Poéticos

    Ana Marly de oLiveira Jacobino

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana Marly,

    Para variar as aulas aos sábados me impedem de qualquer atividade. Como sou um aluno disciplinado (hahahahaha) nunca falto!
    Imagino que deve ter sido o máximo o bate-papo com o Loyola. Quero ver aqui seus comentários!

    Tudo pronto para o Sarau em Rio das Pedras? Na segunda te ligo, ok?

    Excelente domingo pro cê!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário