segunda-feira, 28 de setembro de 2009

O Brasil de Rolando Boldrin em Piracicaba!



O Rio de Piracicaba Setembro de 2009__"Entre águas poluídas vejo lágrimas correndo, são as lágrimas do povo pelo rio que está morrendo "



Adeus Rio Piracicaba


Tião Carreiro e Pardinho

Adeus rio Piracicaba adeus terra tão querida


Estou chorando na despedida Piracicaba, Piracicaba


É minha vida.


Já foi o rio mais bonito quem conheceu acredita


Da linda Piracicaba foi o cartão de visita


A cachoeira murmurante de água pura e cristalina


Era o véu que enfeitava nossa noiva da colina.


Adeus rio Piracicaba adeus terra tão querida


Estou chorando na despedida Piracicaba,


Piracicaba É minha vida.


Entre águas poluídas vejo lágrimas correndo


São as lágrimas do povo pelo rio que está morrendo


Eu também estou chorando e a tristeza não acaba


Eu choro por ver morrendo o rio de Piracicaba.


Adeus rio Piracicaba adeus terra tão querida


Estou chorando na despedida Piracicaba, Piracicaba


É minha vida.




Assista o video e ouça a música, clique no endereço a seguir:






Rolandro Boldrim na noite de ontem em Piracicaba



Causos / O Gato da Madame



Vou contar a história de uma madame que vivia muito solitária, no vigésimo andar de um prédio nos jardins, em São Paulo. Era uma madame muito bonita, que gostava de conforto, e por isso morava num belísso apartamento de ampla salas e grandes suítes. Mas, apesar de ser uma mulher muito rica e coisa e tal, a dita cuja vivia sozinha naquele espaço. Como acontece com tanta gente por aí, é ou não é?Ah, mas eu ia contar causo de bicho e tô aqui falando de uma madame. Naturalmente vocês pensam que eu me atrapalhei ou me esqueci do fio da meada, mas não é nada disso. Acontece que o causo começa assim mesmo, pois tal madame tinha um gatinho. Lindo que só vendo. Desses que nem parecem de verdade, de tão formoso. Tudo nele era majestoso. Agora, o que impressionava a madame eram os olhos azuis e a expressão de quem entende tudo o que se passa e o que se fala. O que às vezes deve ser verdade e a gente nem se toca. Pois a tal madame se impressionava tanto com o olhar do lindo bichano que achava que só faltava mesmo ele falar. E não é que, acreditando mesmo nisso, a dita cuja deu de conversar o dia inteiro com o gatinho, achando que este método usado para fazer papagaio aprender a falar de tanto a gente repetir era o que tinha que ser feito. E elas sempre terminava as aulas com o gato na insistência: “ Fala, meu bichano, fala...” O bichano, diante dessas insistências diárias, sempre lhe respondia com um longo...miauuuuuuu. Sempre com olhar azul fixo em sua dona, atal madame dos Jardins. Aquela que vivia solitária com o nosso personagem por companhia.Mas – sempre tem um mas, como dizia o saudoso amigo Plínio Marcos – eis que o belo dia, logo de manhãzinha, antes que a madame pudesse recomeçar a sua aula de fazer o bicho falar, o dito cujo bicho olha para a madame e diz, bem claramente, até devagar, de um jeito categórico: “Dona, fuja que este prédio vai cair”.Tal não foi a surpresa de o bicho falar que a dona saiu desembestada gritando no corredor do seu andar, que era o vigésimo: “ Meu gato falou...meu gato falou...Venham ver!”.E o gatinho ainda insistiu num berro: “Dona! Eu to avisando que este prédio vai cair!”.
Rolando Boldrin






"Eu amo os atores que sabem que a única recompensa que podem ter – não é o dinheiro, não são os aplausos – é a esperança de poder rir todos os risos e poder chorar todos os prantos"_ Plínio Marcos



Pátria Minha

Vinicius de Moraes

A minha pátria é como se não fosse,é intima


Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo


É minha pátria. Por isso, no exílio


Assistindo dormir meu filho,


Choro de saudades de minha pátria.


Se me perguntarem o que é a minha pátria, direi:


Não sei. De fato, não sei


Como, por que e quando a minha pátria


Mas sei que a minha pátria é a luz, o sol e a água


Que elaboram e liquefazem a minha mágoa

Em longas lágrimas amargas.


Vontade de beijar os olhos de minha pátria


De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos...


Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias

De minha pátria, de minha pátria sem sapatos


E sem meias, pátria minha


Tão pobrinha!


Porque te amo tanto, pátria minha, eu que não tenho


Pátria, eu semente que nasci do vento


Eu que não vou e não venho, eu que permaneço


Em contato com a dor do tempo, eu elemento

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Adeus..., Campanha contra a corrupção eleitoral, Convites e +Poesias e !



Dirce Migliaccio , inesquecível na sua Emília!



Emília..., Emília..., Emília

Ana Marly de Oliveira Jacobino




Tudo ficou diferente! Um pouco mais triste? Um pouco mais “desumanizado”? Um pouco mais solitário? Desde o mês de julho, mesmo tendo bem a frente dos meus olhos, tantos outros amores; divago, falo, escrevo, estudo, penso, respiro, sonho, transpiro; os sonhos dele! O Sítio do Pica-pau Amarelo sempre foi o quintal da minha casa. A porteira, escancarada no seu sorriso rangente, sempre me esperou de braços abertos. Os biscoitos amanteigados como em um passe de mágica sumiam na minha boca. Boca de criança esfomeada e irrequieta.
Queria sempre mais! Um dia o Hércules em pessoa abaixou no meu “Sitio”, e olha , o Pica-pau, também era de todos. Fiquei obcecada, assim como; Pedrinho, Emília e Visconde pela força e pelo seu desempenho nos seus doze trabalhos. Ainda crédula pela pouca idade tinha certeza absoluta: “Monteiro Lobato o havia conhecido e também, convivido com o herói para escrever tão minuciosamente sobre os seus feitos gloriosos”.
Mas, foi em “Reinações de Narizinho”, junto a Narizinho, Pedrinho, Emília, o Visconde, Rabicó, Quindim, Nastácia, o Burro Falante. a Cuca, o Saci... , que me apoderei dos personagens e eles de mim! Monteiro escreveu para mim! A minha realidade fundia com a imaginação. E ,lá, eu... me encontrava imersa na sua linguagem literária.
Através do pó mágico fiz uma viagem ao céu e adivinhe..., encontrei o São Jorge empanturrado, com uma baita barriga, de tanto comer os bolinhos da tia Nastácia. Com o nosso passeio interplanetário divaguei com a Emília, Pedrinho, Narizinho; no momento em que o “Anjinho da Asa Quebrada” apareceu! O que fazer? Como consertar a sua asa?
Nossa! O que é aquilo: Um grilo? Uma formiga? Uma pulga? Não! É a Emilia, me arrastando pela mão a procura da chave do tamanho. O que? Tenho dois centímetros de altura? Nossa? O mundo agora é de gigantes? Neste ir e vir, neste vir e ir..., damos de encontro com Hans Staden em sua busca por mais aventuras, lá pelos lados da floresta tropical do Sítio. Camuflado na mata um tupinambá esfrega as mãos e lambe os beiços sentindo o gosto de um alemão assado.
Lembro de Emília correndo atrás das gordas galinhas do terreiro do sítio armada com um cabo de vassoura imitando D. Quixote de la Mancha, e a sua lança. Tia Anastácia em desespero, sem saber o que fazer com a boneca espevitada, a julga uma louca, e, a prende em uma gaiola, tal e qual aconteceu, lá pelos lados do famoso herói espanhol.
Soltei o verbo ao ouvir:
– Pedrinho – disse Emília um dia depois de terminada a lição –, por que, em vez de estarmos aqui a ouvir falar de gramática, não havemos de ir passear no País da Gramática?
Assim, aprendi a fazer de conta pelas mãos de Monteiro Lobato na voz da Emília. Ontem, ao chegar de uma reunião em que montamos as diretrizes de outro Sarau Literário Lobatiano, mas, agora para as crianças fico consternada com a notícia da morte da minha Emília.
Sim, outras Emílias, me acompanham desde a infância até a fase adulta, sempre juntas nas salas de aulas, nas leituras do meu filho, nos saraus literários, nas cenas televisivas do Sítio do Pica-pau Amarelo, contudo a minha Emília, sempre foi a birrenta, a espevitada, a pernóstica, a teimosa..., a inventiva..., Emília, personificada pela atriz global Dirce Migliaccio.
Nestes 22 de setembro escrevo uma estrofe de um poema de Fernando Pessoa, enviada por um companheiro da literatura, lhe faço assim, um tributo para relembrar a importância da sua Emília, Caríssima Dirce Migliaccio, em minha vida e nas várias gerações a seguir:




“A criança que fui chora na estrada.
Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
Quero ir buscar quem fui onde ficou”.









Newtoniana
Drº Arary Olair Ferrari



Se, por acaso, te vierem à memória
os momentos felizes, que não foram poucos,
trunca a lembranca e vem revivê-los
porque ainda há tempo, neste tempo louco.
Pois, o meu amor, a despeito de tudo, nao para,
continua ainda reclamando pelo teu
na razão direta da atração dos nossos corpos
e na razao inversa do quadrado
desta imensa distância que nos separa.
NHO LICA (ELE NASCEU EM 1862 E MORREU EM PIRACICABA AOS 92... MAS FALAVA QUE SÓ TINHA 38!)
ANA PATERNIANI
ERA UM GRANDE SONHADOR...
ERA COMPOSITOR!
COM SEU VIOLÃO DE APENAS DUAS CORDAS
QUE SÓ FAZIA DINDINDIM DONDONDOM...
LÁ VAI O SENHOR CAPITÃO!
BENGALA NA CINTA, DIAMANTES NA MÃO...
" - BÃOBALALÃO SENHOR CAPITÃO... "

SE VIVEU SUA VIDA SONHANDO
OU SONHOU SEU SONHO VIVENDO
ESSE MILIONÁRIO DE ILUSÕES...
QUEM PODERÁ SABER OU SER JUIZ?!?
AS PEDRAS, O RIO... SÃOTESTEMUNHAS
QUE FOI RICO, BOM E GENEROSO,
POIS DEU TUDO O QUE TINHA POR AMOR
A SUA TERRA, A SUA CIDADE, AO SEU PAÍS...
SE FOI TRISTE E SE FOI LOUCO...
POR CERTO, PELO MENOS UM POUCO...
CAPITÃO FELIX FOI FELIZ!"











Convite 1:

Reservem o dia 03/10 ( sábado) ás 17:30 para assistirem a peça do "Pequeno Príncipe no Mundo da Poesia" e comemorarem conosco 1 ano de vida do "Grupo de Poesia da Casa do Amor Fraterno" .

Casa do Amor Fraterno

Rua João Zilio 278 _Bairro Novo Horizonte

Entrada livre



Convite para comemorar o aniversário do Jornal Linguagem Viva


Comemoração ao aniversário de 20 anos do jornal Linguagem Viva - único no País que nuca interrompeu a periodicidade mensal e manteve o número de páginas.


#30 de Setembro _ quarta-feira

Solenidade: 18 horas

Local: Instituo Histórico e Geográfico de São Paulo

Rua Benjamin Constant, 158, estaçao Sé do metro


O aniversário também será comemorado em Piracicaba e acontecerá no dia 31 de outubro, sábado, às 14 horas, no SESC Piracicaba, com apoio do SESC, Golp e Clip. Na ocasião também prestaremos homenagem a Adriano Nogueira (1928 - 2004) - Piracicaba - um dos fundadores do Linguagem Viva.

Conto com sua presença.

Rosani



Prezados amigos (as)

O Comitê 9840 Piracicaba do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, vem por meio deste informar que a entrega do Projeto de Lei sobre a Vida Pregressa dos Candidatos juntamente com as 1,3 milhão assinaturas da Campanha Ficha Limpa, será entregue ao presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, na segunda-feira às 15h. A antecipação da data, antes marcada para o dia 29/09, deve-se à agenda do deputado.

Informamos ainda que no endereço abaixo, vocês podem acessar o blog do Marcelo Tas do CQC, que é um programa da rede Bandeirantes de televisão. No blog é possível assistir ao vídeo do MCCE e também deixar a sua opinião sobre o projeto e nossos políticos.
Participe, registre sua opinião no blog, temos que barrar estes políticos Custe o Que Custar.

http://marcelotas.blog.uol.com.br/arch2009-09-16_2009-09-30.html#2009_09-17_01_56_02-5886357-0


Comitê 9840 Piracicaba do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral

comite9840piracicaba@gmail.com www.mcce.org.br


Voto não tem preço, tem consequência.
Adote esta ideia, venha fazer parte da nossa luta.



segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Convites, fotos, videos, poesias e muito mais aqui na Agenda Cultural!



Gramados da Esalq em Piracicaba




Assista o video de Maysa e o seu pai Daniel Valim em uma interpretação de emocionar no Sarau literário

clique no endereço a seguir:

http://www.youtube.com/watch?v=qsBDff5jSJ0










Dr. Willian e os escritores de Piracicaba e região no Café Literário do dia 19 de Setembro




A escritora e poeta piracicabana Leda Coletti


Primavera
Leda Coletti

Primavera,

Na roupagem colorida
da paisagem campesina,
irrompes desinibida,
invades o ambiente e fascinas.

Abraças com tuas flores,
campinas, praças, varandas,
e, em guirlandas multicores
bailas ao vento, cirandas.

Os passarinhos cantores
cedendo à tua magia,
tornam-se mais criadores
para bela sinfonia.

Primavera,

rainha das estações,
dileta da natureza
e dos homens-corações,
És divina, com certeza!






Fernando Pessoa - 21 de setembro de 1934 -

“No tempo em que festejavam o dia dos meus anos”
(Álvaro de Campos, 1929)


A montanha por achar
Há de ter, quando a encontrar,
Um templo aberto na pedra
Da encosta onde nada medra.

O santuário que tiver,
Quando o encontrar, há de ser
Na montanha procurada
E na gruta ali achada.

A verdade, se ela existe,
Ver-se-á que só consiste
Na procura da verdade,
Porque a vida é só metade.

## enviado por Richard Mathenhauer (Rio das Pedras)
Convite:

"Aproveito para divulgar um evento bem bacana: dia 26de Setembro, sábado, as 16h na Biblioteca de São Pedro ou no Museu Gustavo Teixeira: Café Filosófico com Rubens Trevisan".

Claudia Ognibene Kiszely (São Pedro)

Convite 2

Cine Debate apresenta o filme Brichos: Bichos do Brasil

Evento voltado para educadores, pais e profissionais de saúde.
Local: Associação Paulista de Medicina - Piracicaba
Endereço: Avenida Centenário, 546 / Fone 3422-5444
Data: 8 de outubro de 2009
Horário: 19:30 hs.

Coordenação:

Andrea R. Martins Corrêa – psicóloga e psicoterapeuta
Dra. Ana Lúcia Paterniani – médica psiquiatra
Sílvia Regina Filhinho – psicóloga e psicoterapeuta

Exibição do filme, seguida de discussão com o público presente.
O objetivo do evento é discutir as alternativas de educação que o filme propõe, levando em conta os conflitos de identidade na adolescência e a influência dos jogos eletrônicos no mundo contemporâneo.
Nota sobre o filme:

Brichos é um desenho animado nacional, dirigido por Paulo Munhoz e Antonio Éder, de classificação livre, com 77minutos de duração, 2005.
Apresenta ao público uma história muito interessante, na qual os personagens principais - Tales, Jairzinho e Bandeira, filhotes de jaguar, quati e tamanduá - aprendem a lidar com seus conflitos de identidade, pesquisando as origens de seus familiares e criando, assim, novas relações entre pais, filhos, professores e alunos.
Informações: www.brichos.com.br

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Piracicaba no ano da França no Brasil: Sarau Literário Piracicabano



ESALQ - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"


P i r a c i c a b a
Dirce Ramos de Lima

Piracicaba!
Meu paraíso!
Outro céu como o teu céu,
não vi.
Nada encontrei, Piracicaba,
igual á ti!

Àguas saltitando alegres
beijam os pés da Noiva-da-Colina!
São tuas:
casas novas e antigas,
praças verdejantes ,
prédios ostensivos e gigantes,
a velha praça central,
a majestosa catedral
onde mora Stº Antonio,
padroeiro e protetor,
dos amantes, dos apaixonados e do amor....

Fazes pensar, brilhar
frontes sábias de milhares de estudantes:
universitários,
ou crianças de creche ,
operários,
trabalhadores braçais,
imigrantes,enfim,
uma miscelânea heterogênea e perfeita de habitantes
que fazem ,
de cada bairro,
próximo ou distante,
uma só grandeza,
unida, poderosa, vibrante!

Quando partir,
deixo contigo meu coração,
levo comigo a tua lembrança.
Juntas assim,
eu sou tua filha,
tu és um pouco de mim!




Participação Especial de Cláudio Costa trazendo a França para o Brasil através do seu acordeom


Clique no endereço a seguir feche os seus olhos e descortine a França dos seus sonhos.

http://www.youtube.com/watch?v=5b2e0ysS4gM



Roseane Luppi canta La Vie En Rose (Composição: Edith Piaf) acompanhada pelos músicos: Ana Lucia Stipp Patrniani (flauta e voz), José Carlos Gregório (violão e voz), Galvani Luppi.

Assista o video clique no endereço a seguir


http://www.youtube.com/watch?v=13w0ZO4h1G4







A Diretora do Teatro Municipal de Piracicaba_ Heloisa Guerrini convidando os participantes para os espetáculos que irão acontecer no teatro.



Cia. Sé de Teatro_ Bêne Giangrossi - Palhaça Xoanet e Lívia Spada - Palhaça Xarlet interpretando uma história.

Experimente desenhar...
Camila Giangrossi Meleke

Desenhar...
É experimentar;
É buscar algo novo;
Algo já existente;
É viver;
É sorrir e chorar...
Pode ser garatuja;
Pode ser transparente;
Pode ter sombreado;
Pode ter significado;
O que não se pode é ficar parado;
Desenhe...
Liberte-se, libere-se
Viaje, sonhe...
Desenhe...
A criança desenha para se expressar...
O adulto se reprime e diz que não sabe desenhar...
Ora, todo mundo pode,
É só começar...
O desenho é sua marca;
Imagine, desenhe...
Permita-se sonhar,
Sob a luz do luar,
Desenhe sem parar...
Sinta-se voar...
Desenhe, solte-se, vamos lá!!




Evair de Souza e Gisele Silva e a alegria contagianate da dança de salão.


Dinheiro.
Edson Antonio Di Piero

Dinheiro.
Para amar falsos amores.
Para se divertir.
Para se ter mais conhecimento.
Dinheiro.
Para almoçar.
Para jantar.
Para se ter saúde.
Dinheiro.
Para as leis.
Para se ter mais dinheiro.
Para os bancos.
Dinheiro.Só para poucos.





Esther Vacchi Passos declamando a sua poesia no Sarau Literário Piracicabano.

IPÊ AMARELO
Esther Vacchi Passos

Flor símbolo deste imenso Brasil

Amarelo cor de ouro deste pais
Ao longe se destaca a florada
Dando paz e harmonia na jornada

Avenidas e praças enfeitadas
De flores em ramos, entrelaçadas
O sol iluminando e aquecendo
O ninho onde o filhote está nascendo

Flor que simboliza a beleza
Deste Brasil gigante pela riqueza
Esta chegando a mais linda estação
Primavera, esperada pela população


Caros escritores e poetas

Não se esqueçam que amanhã, sábado, tem Cafezinho Literário na Casa do Médico às 14h, com a ilustre presença do doutor William Moffit Harris.



Levem um prato de doce ou salgado para degustarmos após as leituras.


Como o evento é trimestral, contamos com as presenças de todos.

abraços
Ivana Negri

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Sucesso o Ano da França no Brasil: Sarau Literário Piracicabano; fotos e videos


A beleza do salto do rio de Piracicaba envolve a todos os que o visitam.




Encantos da Noiva
Benedito Daniel Valim

Como é bom o despertar
da noiva da colina,
ouvir os pássaros cantando
festejando o santo clima.

É bom ver sobre o teu solo
a vegetação molhada,
por gotas serenas de orvalho
das tuas doces madrugadas.

No horizonte transparecerem
os primeiros raios de sol,
natureza e cidade agradecem
a claridade e o arrebol.(...)

Olhares admiram
o momento da partida,
onde os reflexos finais
tornam as nuvens coloridas.

A noite cobre a bela noiva
com um manto estrelado,
a inspiração se fortifica
com o luar apaixonado.

Artistas a pintam
a escrevem e a declamam,
a cidade é uma voz cantada
dos encantos matutinos
aos da tua madrugada




A menina Maysa e o seu pai Daniel Valim contando história: O gato de botas de Charele Perrault




CLÁUDIO COSTA um dos homenageados do Sarau ano França no Brasil entre Ana Marly e a palhaça Xarlet . Saiba Mais sobre a vida deste incansável propagador da Cultura; clique no endereço abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=b5xurfAml7I



******Ouça as músicas francesas tocadas no acordeom por Cláudio Costa

http://www.youtube.com/watch?v=5b2e0ysS4gM



Escute e se apaixone pela música francesa na interpretação do "Quarteto do Sarau": Ana Lucia Stipp Patrniani (flauta e voz), José Carlos Gregório (violão e voz), Galvani e Roseane Luppi (violões e voz):
clique no endereço a seguir:




Galvani Luppi lendo a biografia do segundo homenageado do Sarau Literário Piracicabano:Charles Perrault , Com quase 70 anos, publicou um livro de contos conhecido, na época, como "contos de velha", "contos da cegonha" ou "contos da mamãe gansa", sendo o último o título por que ficou conhecida a obra em todo o mundo.




A beleza das cores da "Bandeira Francesa" incorporada aos brilhantes músicos do Sarau Literário Piracicabano
CIDADE COLORIDA
Ivana Marisa Altafin

Época dos ipês,

eles estão por toda parte:

nas ruas, nas esquinas, nas escolas,


nos parques e jardins.

Eles dão vida e colorido à cidade e

enchem nossos olhos de admiração!

Podemos ver os ipês amarelos,

os ipês brancos e também os

ipês rosas...não podemos perder

tempo, pois, suas flores

não esperam seus admiradores,

como plumas, elas caem formando

no chão um tapete florido!

Ao ver o ipê branco,

pedi a Deus apenas

mais um dia antes que

suas flores caissem.

Graças a ti Senhor,

fotografei o ipê branco

e fiz esse poema

de louvor a natureza!




Rosas
Maria Lúcia Prado Almeida

Nunca tive rosas em meu jardim.
Mas no quintal, eis que surgiram, por sobre o muro,
barreira alta, com galhos fortes
que as sustinham, sempre a crescer.

Não as plantara e acompanhei seu crescimento;
botões fechados foram se abrindo,
de claros tons
ou bem vermelhos, cores, nas pétalas, a explodir.

Não eram muitas,
mas foram minhas por tantos dias;
fotos tirei, do muro branco, daquelas rosas,
do azul do céu.

Elas sabiam que eu me iria,
foram enfeitar a casa de que logo me despedi.
Uma manhã não mais estavam,
alguém cortara e lá se foram, antes de mim.

Mas eu as tenho nas minhas fotos,
o seu recado assim me diz:
_ Vai distraída, solta as amarras,
enfrenta muros, olha à tua volta,
vê quantas flores, flores tão belas, vês a crescer.




Participantes atentos para o inicio do sarau que trouxe a França para a Noiva da Colina

No caminho das borboletas
(Valquíria Cordeiro)

A princípio era apenas

azul turquesa de beleza divina,

e logo chegaram mais algumas,

amarelas, salpicadas de purpurina.



E quando percebi eram dezenas
de todas as formas e cores,
e podem vir a ser centenas
espalhadas ao meio das flores



borboletas vermelhas e pretas
ou de bolinhas adornadas de cetim,
voam pelos céus dando piruetas



parecem até que estão dançando
só para mim



vejo também uma na cor rosa
juro, nunca ter visto linda assim
tão suave e maravilhosa
pousa nas flores de jasmim.

Soy
Angela Reyes (Davie, Florida Septiembre 2009)

Gota de agua dentro
del oceano,

Lagrima en la lluvia
del cielo.

Un grano de arena
en el decierto

y particula del atomo
de un universo.

Soy micro del mismo micro
y parte del macro,

tan solo referencia
en el tiempo.

Existo porque pienso
y ...

No soy perfecta.






















domingo, 13 de setembro de 2009

A França desembarca no Teatro Municipal em Piracicaba na Agend@



Brasil meu Brasil brasileiro...
Convite:


Homenageados do Sar@u Literário Piracicabano de 15 de Setembro de 2009:

ANO DA FRANÇA NO BRASIL no Teatro Municipal de Piracicaba

Horário: 19:30 às 21:30h.

Charles Perrault (o escritor dos contos de fada ou "contos da mamãe gansa"), Charles-Pierre Baudelaire (poeta) e a participação especial de Cláudio Costa no acordeom tocando músicas francesas.




Brasil__ As praias de Alter do Chão só existem no período de vazante do rio Tapajós, entre agosto e janeiro, quando o volume de água diminuiu e surgem centenas de faixas de areia

Setembro

Richard Mathenhauer (poeta brasileiro)
Todos os dias são Setembro.

Pela casa a ausência de alguém

Que parece estar noutro cômodo, sempre;

Quando alcançado, Revela-se vazio.

Porque está de fato vazio

Como todos os demais cômodos são vazios

Desde Setembro. Dentro do peito

A sua presença fez-se em Saudade

Que se assemelha, tão grande e intensa,

A um bloco de mármore italiano,

Da Itália distante de seus pais,

Bloco que a memória trabalha

Para dar as formas do seu rosto

E os contornos frágeis do seu corpo,

Retocados todo dia

Para que o tempo não os desgaste

Feito as velhas estátuas dos velhos jardins...

Ás vezes a presença de dentro salta

Para a ausência de fora.

Outras, a ausência de fora

Entristece a presença de dentro:

Todos os dias são Setembro – aquele Setembro.

Enquanto os cômodos permanecem vazios,

A memória não descansa o cinzel.




Museu do Louvre - Paris - França



Notre Dame de Reims, construção iniciada em 1211. Reims foi o local da coroação de vários reis da França.



Clique e entre no embalo do Sarau França no Brasil:
C'EST MA VIE - SALVATORE ADAMO






A Uma Passante

Charles Baudelaire

A rua em derredor era um ruído incomum,

longa, magra, de luto e na dor majestosa,

Uma mulher passou e com a mão faustosa

Erguendo, balançando o festão e o debrum;


Nobre e ágil, tendo a perna assim de estátua exata.

Eu bebia perdido em minha crispação

No seu olhar, céu que germina o furacão,

A doçura que embala o frenesi que mata.



Um relâmpago e após a noite! — Aérea beldade,

E cujo olhar me fez renascer de repente,

So te verei um dia e já na eternidade?


Bem longe, tarde, além, jamais provavelmente!

Não sabes aonde vou, eu não sei aonde vais,

Tu que eu teria amado — e o sabias demais!


(Trad. Paulo Menezes)





Charles Baudelaire (1821-1867)

Poeta francês. Famoso por suas Flores do mal, influenciou toda a poesia simbolista mundial e lançou as bases da poesia moderna.
Baudelaire marcou com sua presença as últimas décadas do século XIX, influenciando a poesia internacional de tendência simbolista. De sua maneira de ser originaram-se na França os poetas "malditos". De sua obra derivaram os procedimentos anticonvencionais de Rimbaud e Lautréamont, a musicalidade de Verlaine, o intelectualismo de Mallarmé, a ironia coloquial de Corbière e Laforgue.
Poeta e crítico francês, Charles-Pierre Baudelaire nasceu em Paris em 9 de abril de 1821. Desavenças com o padrasto forçaram-no a interromper seus estudos, iniciados em Lyon, para uma viagem à Índia, que interrompeu nas ilhas Maurício. Ao regressar, dissipou seus bens nos meios boêmios de Paris, onde conheceu a atriz Jeanne Duval, uma de suas musas. Outras seriam, depois, Mme. Sabatier e a atriz Marie Daubrun. Endividado, foi submetido a conselho judiciário pela família, que nomeou um tutor para controlar seus gastos. Baudelaire permaneceu sempre em conflito com esse tutor, Ancelle.
Acontecimento capital na vida do poeta é o processo a que foi submetido em 1857, ao publicar Les Fleurs du mal (As flores do mal). Além de condená-lo a uma multa por ultraje à moral e aos bons costumes, a justiça obrigou-o a retirar do volume seis poemas. Só a partir de 1911 apareceram edições completas da obra.
Mal compreendida por seus contemporâneos, apesar de elogiada por Victor Hugo, Teóphile Gautier, Gustave Flaubert e Théodore de Banville, a poesia de Baudelaire está marcada pela contradição. Revela, de um lado, o herdeiro do romantismo negro de Edgar Allan Poe e Gérard de Nerval, e de outro o poeta crítico que se opôs aos excessos sentimentais e retóricos do romantismo francês.
Uma nova estratégia da linguagem - Quase toda a crítica moderna concorda que Baudelaire inventou uma nova estratégia da linguagem. Erich Auerbach observou que sua poesia foi a primeira a incorporar a matéria da realidade grotesca à linguagem sublimada do romantismo. Nesse sentido Baudelaire criou a poesia moderna, concedendo a toda realidade o direito de ser submetida ao tratamento poético.
A atividade de Baudelaire se dividiu entre a poesia, a crítica literária e de arte e a tradução. Seu maior título são Les Fleurs du mal, cujos poemas mais antigos datam de 1841. Além da celeuma judicial, o livro despertou hostilidades na imprensa e foi julgado por muitos como um subproduto degenerado do romantismo.
Tanto Les Fleurs du mal como os Petits poèmes en prose (1868; Pequenos poemas em prosa), depois intitulados Le Spleen de Paris (1869) e publicados em revistas desde 1861, introduziram elementos novos na linguagem poética, fundindo o grotesco ao sublime e explorando as secretas analogias do universo. Para fixar a nova forma do poema em prosa, Baudelaire usou como modelo uma obra de Aloïsius Bertrand, Gaspard de la nuit (1842; Gaspar da noite), se bem tenha ampliado em muito suas possibilidades.
Crítica de arte e traduções - Baudelaire destacou-se desde cedo como crítico de arte. O Salon de 1845 (Salão de 1845) e o Salon de 1846 (Salão de 1846) datam do início de sua carreira. Seus escritos posteriores foram reunidos em dois volumes póstumos, com os títulos de L'Art romantique (1868; A arte romântica) e Curiosités esthétiques (1868; Curiosidades estéticas). Revelam a preocupação de Baudelaire de procurar uma razão determinante para a obra de arte e fundamentam assim um ideário estético coerente, embora fragmentário, e aberto às novas concepções.
Extensão da atividade crítica e criadora de Baudelaire foram suas traduções de Edgar Allan Poe. Dos ensaios críticos de Poe, sobretudo "The Poetic Principle" (1876; "O princípio poético"), Baudelaire tirou as diretrizes básicas de sua poética, voltada contra os excessos retóricos: a exclusão da poesia dos elementos de cunho narrativo; e a relação entre a intensidade e a brevidade das composições.
Ainda um outro Baudelaire é o revelado em suas obras especulativas e confessionais. É o caso de Les Paradis artificiels, opium et haschisch (1860; Os paraísos artificiais, ópio e haxixe), especulações sobre as plantas alucinógenas, parcialmente inspiradas nas Confessions of an English Opium-Eater (1822; Confissões de um comedor de ópio) de Thomas De Quincey; e de Journaux intimes (1909; Diários íntimos) -- que contém "Fusées" (notas escritas por volta de 1851) e "Mon coeur mis a nu" ("Meu coração desnudo") --, cuja primeira edição completa foi publicada em 1909. Tais escritos são o testamento espiritual do poeta, confissões íntimas e reflexões sobre assuntos diversos.
Quer pelo interesse inerente a sua grande poesia, quer pelos vislumbres que essas confissões propiciam, Baudelaire se destaca entre os poetas franceses mais estudados por ensaístas e críticos. Jean-Paul Sartre situou-o como protótipo de uma escolha existencial que teria repercussões no século XX, enquanto a crítica centrada nas relações históricas, como a de Walter Benjamin, dedicou-se a examinar sua consciência secreta de uma relação impossível com o mundo social.
Após uma existência das mais atribuladas, Baudelaire morreu de paralisia geral em Paris em 31 de agosto de 1867, quando mal começava a ser reconhecida sua influência duradoura sobre a evolução da poesia.


Fonte: Enciclopedia Britanica do Brasil


Convite:

Homenageados do Sar@u Literário Piracicabano de 15 de Setembro de 2009:

ANO DA FRANÇA NO BRASIL no Teatro Municipal de Piracicaba

Horário: 19:30 às 21:30h.

Charles Perrault (o escritor dos contos de fada ou "contos da mamãe gansa"),

Charles-Pierre Baudelaire (poeta) e a participação especial de Cláudio Costa no

acordeom tocando músicas francesas.







quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Vale a pena conhecer um pouco mais da Terra do tio Sam!

Convite:


Homenageados do
Sar@u Literário Piracicabano de 15 de Setembro de 2009:

ANO DA FRANÇA NO BRASIL no Teatro Municipal de Piracicaba

Horário: 19:30 às 21:30h.

Charles Perrault (o escritor dos contos de fada ou "contos da mamãe gansa"),

Charles-Pierre Baudelaire
(poeta) e a participação especial de Cláudio Costa no acordeom tocando músicas francesas.





A alegria contagiante do Guilherme ao lado do Mickey


Aréa do hotel "All Star Movie"

Vivências na terra do Tio Sam_ Parte II
Ana Marly de Oliveira Jacobino

Seis da manhã!? Isso mesmo, antes do despertador dar o ar da graça, lá estava eu, tomando um banho no chuveiro forte do banheiro do hotel. Tinha dormido pouco mais de três horas durante os últimos dois dias. Antes de todos dormirem mais ou menos, há umas quatro horas atrás, o roteiro do nosso passeio foi traçado pela prima Samira e o Guilherme. Para mim tudo bem, o que eu queria de fato durante a nossa estadia, sem dúvida alguma; podia ser escrito, com uma palavra curta: BRINCAR. E o Pedro, o quarto viajante aceitou o roteiro de olhos fechados, é que ele já dormia.
Acordei a todos, e, enquanto isto, junto com o Guilherme fomos tomar o primeiro café da manhã nas terras do tio Sam. Atravessamos o hall da portaria do hotel e lá estava ele o: World Premiere Food Court, a área dos restaurantes do All Star Movie.
Luzes e mais luzes atrapalham a minha visão fotofóbica. Entro na área reservada aos restaurantes e vou apreciando os cardápios. Assusto com o preço dos pratos! O que contém um wafer com a cara do Mickey, dois pedaços de bacon, e, um potinho de melado tinha o preço módico de 4,75 dólares. Ah! Sem contar os 8% do imposto.
O esfomeado do Guilherme optou pelo mais caro; ovos mexidos, um wafer com a cara do Mickey, quatro pedaços de bacon, uma porção de batata cortado em cubos por 11,75 dólares. Comprei a mug, e, meu filho desse modo, pode beber refrigerantes, chocolate e água a vontade na área do hotel.
Prontos! O quarteto tomou o ônibus na parada Disney na lateral do hotel. O calor forte da manhã contrastou com o frio do interior do ônibus. O parque Disney's Hollywood Studios (antes conhecido como: "Disney-MGM Studios") abriu as suas portas para o público às 9 horas da manhã. Antes nossos pertences passam por revista pelos funcionários do parque.
O que chamou a atenção foi à correria alucinada das pessoas, a partir do momento em que o parque é declarado aberto ao público. Um senhor um pouco avantajado disparou a correr, parecendo estar em uma corrida da São Silvestre, justo neste instante, as portas laterais das lojas se abrem e a trombada foi inevitável; um garoto loiro, magro esborrachou no chão. Suspense! O gordinho sem graça ajudou o menino a levantar. E o menino todo arranhado e sangrando nos joelhos armou um berreiro daqueles.
Na entrada principal, o que me encantou foi a "Earfful Tower" (uma caixa d'água) com as orelhas do Mickey, símbolo do Disney's Hollywood Studios. Outro ponto interessante são as ruas construídas em perspectivas forçadas, e desse modo, fui levada a acreditar estar em uma das ruas de São Francisco ou de Nova Iorque, a conhecida Big Apple.
A primeira atração foi Toy Story Mania uma combinação pra lá de emocionante de Cinema 3D, nesta atração o visitante vai a uma feira de gincanas, onde através de um canhão eletrônico montado em cada assento do carrinho ele poderá interagir e participar das competições com direito a contagem de pontuação. Dardos em balões de ar, bem como argolas, bolas em pratos, e tantos outros objetos deverão ser arremessados em diversos alvos com valores diversos.
Atirei muito, e, acredite depois que aprendi ganhei em pontuação de um jogador inveterado de games, que é o meu filho Guilherme. Viva! Quero voltar!
No Echo Lake, a aventura ficou por conta de Indiana Jones. No início do espetáculo você verá Indiana Jones em um templo antigo, onde o ator-dublê, o que interpreta o personagem enfrenta inúmeros contratempos. A reprodução da cena em que o herói tem que correr como louco para não ser atropelado por uma pedra gigantesca é magistral. Agora o show aventura está quase completo, isto é, com dois filmes da série. Mas, diante de tanta aventura; avião, bombas, explosões, fogo, tiros... ação, e, mais ação..., o herói e a mocinha sendo metralhados, soldados nazistas..., e muita ação, acredite caro leitor, Samira e Pedro resolvem ir embora, logo no início da aventura, pois estavam com sono! Isto mesmo com sono! Durma com uma história dessas!
Todas as atrações dos parques desembocam em uma lojinha um oásis de compra, uma das maiores alegrias da prima Samira e do Pedrinho.
Muitas atrações e brincadeiras, sorriso largo nos rostos, com o fastpass nas mãos, a fila andou rápido para uma atração de arrepiar os cabelos, Twilight Zone Tower of Terror, agora muito mais emocionante, a queda passou a ser selecionada por um computador, e não se repete razão pela qual a experiência nunca é idêntica a anterior criando-se um clima de suspense arrepiante!
Embarcamos num elevador com mais passageiros, é o tal, que despenca do décimo terceiro andar. Logo que você entra no prédio da atração é conduzido para uma biblioteca sinistra, repleta de poeira e teias de aranha, onde assiste a uma apresentação com a voz do criador e narrador da série "The Twilight Zone", descreve os fatos acontecidos no hotel, enfatizando a estória de cinco hóspedes desaparecidos durante o Halloween de 1939 em decorrência de um fenômeno inexplicável.
Muita fila, depois, chegou a hora! Você embarca no elevador que irá conduzir os passageiros para uma atração inesquecível, o elevador vai passando por vários andares do hotel. Ele dá vários solavancos e ameaça a despencar a cada segundo, dessa maneira, repleta de adrenalina, você nunca sabe exatamente quando realmente irá cair do décimo terceiro andar.
_Guilherme, por favor, você vai quebrar o meu braço. Pare de apertar! Está doendo!
_Desculpe, mãe pensei que estivesse apertando o braço da poltrona.
Finalmente, após o seu passeio pelo interior do Hollywood Tower Hotel o elevador sobe com uma rapidez inimaginável parando no topo do edifício, ele para e abrem as suas janelas possibilitando que a gente tenha uma visão do seu exterior, os nossos olhos assustados pela altura vêem quase todo o parque, sendo que, neste momento, ocorre a queda.
_Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii !
Olho para os três e grito entusiasmada:
_Nossa! Acabou? Quero mais!



#### Entre no endereço e ouça a maravilhosa interpretaçao de Além Do Arco-Íris * - Luiza Possi

http://www.youtube.com/watch?v=5IG7WM9PwtA




A atração recria as cenas mais famosas de Hollywood, e você vai poder ver os personagens animados ( animatronics) mais perfeitos existentes. cantam e dançam para os turistas nas atrações cinematograficas!


Um dos muitos "Oscars" merecidamente recebidos pelos Estudios Disney!



Cenas da montagem cinematográfica de um dos filmes de Indiana Jones: Demais! Pegou fogo no entusiamo da platéia.





Os alieniginas pousaram em Disney's Hollywood Studios


Convite:


Homenageados do Sar@u Literário Piracicabano de 15 de Setembro de 2009:


ANO DA FRANÇA NO BRASIL no Teatro Municipal de Piracicaba

Horário: 19:30 às 21:30h.

Charles Perrault (o escritor dos contos de fada ou "
contos da mamãe gansa"),


Charles-Pierre Baudelaire (poeta) e a participação especial de Cláudio

Costa no acordeom tocando músicas francesas.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Convite:


Homenageados do Sarau Literário Piracicabano de 15 de Setembro de 2009: ANO DA FRANÇA NO BRASIL no Teatro Municipal de Piracicaba :

Horário: 19:30 às 21:30h.

Charles Perrault (o escritor dos contos de fada ou "contos da mamãe gansa"), Charles-Pierre Baudelaire (poeta) e a participação especial de
Cláudio Costa no acordeom tocando músicas francesas.











O Ano da França no Brasil – 2009 – tem como objetivo principal fortalecer a parceria estratégica entre os dois países e ocorre em reciprocidade ao Ano do Brasil na França – Brésil Brésis, realizado em 2005.


Com resultados surpreendentes, o evento mobilizou mais de 15 milhões de pessoas, com centenas de atrações realizadas em todo o território francês, que trouxeram impactos diretos não só para o intercâmbio cultural, mas também para as trocas comerciais entre os dois países.


Na ocasião, registrou-se aumento de três vezes no volume de negócios entre França e Brasil (quando comparado ao ano anterior, 2004), o que correspondeu a cerca de US$ 450 milhões de produtos brasileiros importados pela França em 2005. O governo francês registrou um crescimento de 27% no movimento de turistas franceses no Brasil, além do crescimento de 20% nas matrículas nos cursos de português na França.






Charles Perrault (1628-1703) Contemporâneo do fabulista gaulês La Fontaine, Charles Perrault sempre viveu em Paris e morreu aos 75 anos.



O gato de botas
Charles Perrault


Era uma vez um camponês muito pobre. Ele tinha três filhos, e quando morreu deixou tudo que tinha para eles. O primeiro herdou um moinho, o segundo um burro e o terceiro ficou com o gato de estimação.
O terceiro filho ficou muito aborrecido porque não sabia o que fazer com o gato. Entretanto, este era um animal muito especial.
O gato pediu para seu novo dono, que lhe arrumasse um par de botas e um saco de milho, que em troca lhe traria muitas riquezas. Meio desconfiado, o jovem gastou todas as suas economias com o pedido do gato. Este saiu correndo pela floresta, em busca do que prometera para seu novo dono.
Reinava naquele lugar, um rei louco por perdizes. O gato pegou o saco de milho, fez uma armadilha, e aprisionou algumas delas. Em seguida ofereceu a sua caça ao rei, dizendo tratar-se de um presente de seu amo, que era um conde muito importante. Este ficou imensamente agradecido, entregou um saco cheio de ouro, para que o gato levasse a seu amo. Nos dias seguintes, o gato sempre levava perdizes ao rei, e em troca trazia ouro.
Um dia o gato ficou sabendo que o rei estaria passeando com a princesa perto da casa do camponês. Ele pediu para seu dono ir nadar no lago, e escondeu as roupas dele.
Quando o rei passava por ali, ele parou a carruagem:
- Me ajude alteza, meu dono estava nadando na lagoa e um ladrão roubou as suas roupas!
O rei, reconhecendo o gato, pediu que o cocheiro voltasse ao castelo, e trouxesse a roupa mais bonita que encontrasse. Depois disso convidou o jovem para passear com eles.
O gato ia correndo na frente e a todos os lavradores que encontrava, ordenava que dissessem ao rei, que eram trabalhadores do conde da região.
O rei ficou muito impressionado com a quantidade de terra e de lavradores que o conde possuía. Cada vez que perguntava quem era o patrão das pessoas que o encontrava no caminho, a resposta era sempre o conde.
Enquanto isso, o gato seguia na frente da carruagem. Chegou ao castelo de um bruxo, que era o verdadeiro dono daquelas terras. O gato foi logo perguntando:
- Ahh, um leão é muito fácil, quero ver você conseguir se transformar em um animal bem pequenino, como um rato, por exemplo.
Na mesma hora o bruxo se transformou em um pequenino camundongo. De um só pulo. O gato apanhou o rato e o engoliu. Quando o rei chegou ao local do castelo, da porta deste, o gato chamou:
- Sua majestade! Venha conhecer o castelo do conde, meu amo. Estávamos ansiosos esperando sua visita.
O rei ficou impressionado com tamanho luxo e riqueza. Resolveu que o conde seria um excelente marido para sua filha, e assim sendo concedeu a mão da princesa para este. O casamento deles foi o mais lindo de que se teve notícia
.






Perrault um desbravador


Ana Marly de Oliveira Jacobino


Charles Perrault foi muito importante, pois colocou no papel os contos que já circulavam na época de boca em boca, e acredite, caro leitor, eram terrivelmente erotizados e macabros, nesta época, a maioria das pessoas não discerniam o adulto da criança para contar as histórias. Perrault primeiro copilou como os contos eram originalmente, mas, depois ele foi contratado pelo Rei Sol: Luís XIV para reescrevê-los para os seus filhos, e, foi assim que os contos tiveram que ser modificados.
Lembramos que Charles Perrault foi membro da alta burguesia, Perrault foi imortalizado por criar uma literatura de cunho popular que caiu no gosto infantil e contou também com a aprovação dos adultos. Com pouco mais de 50 anos, trocou o serviço ativo pela educação dos filhos. Movido por esse desejo, começou a registrar as histórias da tradição oral contadas, principalmente, pela mãe ao pé da lareira. Com redação simples e fluente, as histórias eram adaptações literárias que traziam ao final conceito morais em forma de verso. Essa perspectiva promove, desde a fase inicial, na chamada literatura infantil a existência de um teor pedagógico associado ao lúdico.


Convite:

Homenageados do Sarau Literário Piracicabano de 15 de Setembro de 2009:

ANO DA FRANÇA NO BRASIL no Teatro Municipal de Piracicaba :

Charles Perrault (o escritor dos contos de fada ou "
contos da mamãe gansa"),

Charles-Pierre Baudelaire (
poeta) e a participação especial de




Cláudio Costa no acordeom tocando músicas francesas.










Olá, pessoal, beleza?

Estou enviando novamente e-mails a todos os meus conhecidos porque algumas pessoas reclamaram dificuldade em votar na banda Mazzaropi Contra o Crime, a partir do link que passei. Então, para votar, façam o seguinte:
www.domingaodofaustao.com.br. E vão no link Garagem do Faustão. Daí, dentro desta página tem um local 'Buscar', digitem 'MCC'. É que devido a questões de direitos autorais, a Rede Globo não colocou o nome da banda Mazzaropi Contra o Crime, e sim MCC.

Para votar, é só clicar nas estrelas logo abaixo do vídeo, e clicar. Se puderem votar, agradeço. E se puderem passar aos seus conhecidos, agradeço ainda mais.

Um abraço,

Erich Vallim Vicente



quarta-feira, 2 de setembro de 2009

1939, o exército alemão invadiu a Polônia.começa a guerra em que houve mais mortes do que todas as guerras!





1939: Não deve ser esquecido na memória histórica do ser humano!


INVASÃO MACABRA
Ana Marly de Oliveira Jacobino
As suas camadas giram rápido diante dos meus olhos. As seqüências se casam e a cruz central começa a se definir. Algo acontece em minha “pseudo mente”. O meu sensório motor fica fora de controle e consigo virar o cubo trocando os cubos de borda e mantendo as suas cores. A visão do cubo dançando em minhas mãos assusta, e, determinada, continuo o movimento.
Consigo inverter a posição e as cores também invertem. Neste momento a luz castiga os meus olhos. Os meus dedos atravessam o cubo. Ou será o cubo que me atravessa? Onde as crianças estão? Será que estamos no interior do cubo? Ou...? As crianças me olham. As cores das suas roupas as diferenciam umas das outras, as suas fisionomias apresentam uma singularidade a toda prova. O que fazem ali sentadas olhando para o cosmos? O que esperam? As estrelas inundam a minha retina. Grito. Bato palmas para acordá-las dessa letargia. Nada as movem nada as tiram da posição em que se encontram.
Um astronauta salta da nave e se posiciona bem a nossa frente. Tão longe está da sua casa, sendo assim, somente pode ser visto pelas lentes de um telescópio, e tão perto está do meu corpo, as suas mãos tocam o meu rosto. Que linguagem é está concebida por minha mente. Sonho? Ilusão? Vejo a minha imagem refletida ao lado de estrelas, nebulosas e cometas no visor do capacete do viajante espacial. No seu rosto consigo ver um largo sorriso e mais nada! Não diviso os seus olhos! Somente o seu sorriso me fascina!
A beleza toma formas, aromas, cores, crenças mitológicas, palavras, traços..., vida! Um passarinho azul entra pela abertura do seu traje e encontra abrigo. Ouço o seu trinar dentro do seu peito. Coço os meus olhos, estou sonhando! Uma imensa laranja azul se esconde no reflexo das lentes do seu capacete. A música das baleias invade os meus ouvidos. O barulho e o cheiro do mar exalam do seu macacão espacial. Quem é ele? O que quer me dizer?
Fumaça? Que cheiro é esse? O que está acontecendo? O fogo se alastra rápido. Rolos negros de fumaça podem ser vistos. Bombas lançadas no vazio. Explosões.
O aroma das frutas, as cores dos legumes e verduras dão o tom na segunda feira ensolarada. Os lavradores vendem seus produtos. De repente, silêncio! O sino toca! Silêncio! Explosões.
Assustados homens, mulheres e crianças procuram abrigo na floresta. Silêncio! Aviões sobrevoam e lançam mais bombas. O azul se torna vermelho. As baleias morrem. O pássaro azul não resiste! O mar tinge de vermelho. As crianças morrem carbonizadas.
O homem espacial esconde o seu sorriso. Lágrimas marcam o seu rosto.
Um brilho prateado colore o céu. Os caças alemães carregados com projéteis explosivos bombas incendiárias, metralhadoras assassinas matam civis indefesos. Guernica, 26 de abril de 1937 foi apenas uma experiência para a aprendizagem destruidora dos alemães. Em 01 de setembro de 1939; Adolf Hitler, Führer do Terceiro Reich, ordena a invasão da Polônia, e o estopim para a guerra foi lançado.
A morte sobrepuja a vida! A guerra destrói a paz!



Polonia: O marco inicial ocorreu no ano de 1939, quando o exército alemão invadiu a Polônia. De imediato, a França e a Inglaterra declararam guerra à Alemanha. De acordo com a política de alianças militares existentes na época, formaram-se dois grupos : Aliados ( liderados por Inglaterra, URSS, França e Estados Unidos ) e Eixo ( Alemanha, Itália e Japão ).



A ascensão de Mussolini ao poder na Itália, em 1922, inaugurara um regime político totalitário, militarista e fortemente nacionalista, denominado fascismo e situado ideologicamente na extrema direita. A Crise de 29, agravando os problemas econômicos e sociais dos países capitalistas, estimulou as camadas populares a apoiar movimentos extremistas, tanto de esquerda (comunismo) como de direita (denominados genericamente fascismos, por serem inspirados no modelo italiano). O apoio da burguesia a estes últimos foi decisivo para que eles assumissem o controle de vários Estados, dos quais o mais importante foi a Alemanha, onde Hitler tomou posse na chefia do governo em 1933. O expansionismo nazista seria o fator determinante para a eclosão da Segunda Guerra Mundial.



A Segunda Guerra Mundial, por sua amplitude e duração, contou com inúmeras campanhas e batalhas importantes. Empregando de forma combinada todos os elementos militares de que dispunham (aviação de assalto, aviação de bombardeio, blindados, artilharia e infantaria), os alemães criaram uma tática de combate denominada Blitzkrieg (Guerra-Relâmpago), de efeito esmagador. Ela lhes permitiu dominar rapidamente a Polônia e, em 1940, praticamente toda a Europa Ocidental – inclusive a França, que foi obrigada a se render. Mas a falta de recursos navais impediu Hitler de invadir a Grã-Bretanha e o levou a atacar a URSS. Os alemães avançaram profundamente no território soviético, até serem finalmente detidos na Batalha de Stalingrado (nov. 42/fev. 43). O Japão, envolvido contra a China desde 1937, atacou os EUA em dezembro de 1941, bombardeando a base naval de Pearl Harbor, no Havaí. Os japoneses conquistaram todo o Sudeste Asiático e o Pacífico Central, chegando às fronteiras da Índia e próximo da Austrália. Todavia, derrotados pelos norte-americanos na batalha naval de Midway (jun. 42), passaram a lutar defensivamente, de forma obstinada e até mesmo desesperada, tendo em vista que se tornou habitual lutarem até à morte, inclusive através de ataques suicidas.



A Itália foi invadida pelos Aliados em 1943. Mussolini, refugiado no norte do país sob a proteção dos alemães, foi capturado por guerrilheiros comunistas italianos e assassinado em abril de 1945. Hitler suicidou-se três dias mais tarde, quando os soviéticos se encontravam a três quarteirões de seu abrigo subterrâneo, em Berlim. A Alemanha capitulou pouco depois, em 8 de maio. Antes, em junho de 1944, ocorrera o célebre Dia D, quando tropas anglo-americano-canadenses desembarcaram na Normandia – região da França, então ocupada pelos alemães.

O Japão somente se rendeu em 15 de agosto de 1945, quando o imperador Hirohito anunciou pessoalmente, pelo rádio, a capitulação do país. Essa decisão foi conseqüência dos devastadores efeitos produzidos pelo bombardeio atômico das cidades de Hiroshima e Nagasaki, ocorridos respectivamente em 6 e 9 daquele mês.

O emprego de bombas atômicas contra o Japão, a fim de forçá-lo a cessar a luta, foi ordenado pelo novo presidente dos EUA, Truman (o presidente Franklin Roosevelt falecera em abril de 1945). Atualmente, os historiadores tendem a considerar que a ação norte-americana foi desnecessária, já que a capacidade de resistência dos japoneses estava em seu limite. Assim sendo, os bombardeios atômicos (com cerca de 200 mil vítimas fatais, sem considerar as seqüelas da radioatividade) teriam sido, fundamentalmente, um meio de intimidar a URSS – já no contexto da futura Guerra Fria



Conseqüências da Segunda Guerra Mundial
O mundo que emergiu do terrível conflito era bastante diferente daquele que existia em 1939. As potências do Eixo estavam esmagadas, mas também a Grã-Bretanha e a França saíram debilitadas da guerra. Para definir a nova relação de forças internacionais, cunharam-se duas expressões: superpotências e bipolarização – mostrando que o planeta se encontrava dividido em duas zonas de influência econômica, política e ideológica, controladas respectivamente pelos EUA e URSS. Do confronto entre ambos (Guerra Fria) resultaram a Guerra da Coréia (1950–53), a Guerra do Vietnã (1961–75) e a Guerra do Afeganistão (1979–89).
Somente em 1985, com o início da Perestroika (reestruturação econômica) e da Glasnost (transparência política), implantadas por Gorbachev na URSS, esse cenário instável começou a se desfazer.
O socialismo marxista ganhou considerável impulso com o crescimento do poder soviético, após a Segunda Guerra Mundial. Além dos países da Cortina de Ferro (Europa Central e Oriental), passaram a ter governos comunistas Estados do Extremo Oriente (China, Coréia do Norte, Vietnã, Laos, Camboja), do Oriente Médio (Iêmen do Sul), da África (Angola, Moçambique, Etiópia) e até mesmo da América Latina (Cuba, onde Fidel Castro se transformou no mais antigo ditador do mundo – está no poder desde 1959).

Finalmente, os avanços tecnológicos provocados pela guerra resultaram em numerosas aplicações pacíficas, que vão desde a penicilina até o radar ou a propulsão a jato para os aviões.

Veja os videos da Segunda Grande Guerra; clique nos endereços:
1)

2)

3)


Os números da Segunda Guerra Mundial são incríveis:

Entre 50 a 60 milhões de mortos, alguns pessoas calculam em 100 milhões, embora sem provas concretas

Desse número, 17 milhões são de civis russos e 12 milhões de soldados russos

Nos ataques aéreos realizados em cidade alemãs morreram 600.000 pessoas
Estima-se entre 6 a 11 milhões de judeus assassinados.


Livros:
No dia 1º de setembro, numa terça-feira, faz 70 anos que começou a Segunda Guerra Mundial, terminada em maio de 1945 (no cenário europeu). Por isso as editoras brasileiras estão lançando tantos livros sobre o assunto.

1) TÍTULO: A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: O PLANETA EM CHAMAS
AUTOR: JAYME BRENERCOLEÇÃO: RETROSPECTIVA DO SÉCULO XX
EDITORA: ÁTICA


2)Os Três Grandes — Churchill, Roosevelt & Stálin Ganharam Uma Guerra e Começaram Outra” (Nova Fronteira, 487 páginas, tradução de Gleuber Vieira), de Jonahtan Fenby,

3) “O Longo Inverno — A Batalha do Bulge e a História do Pelotão Mais Condecorado da Segunda Guerra Mundial” (Record, 347), de Alex Kershaw

“Amanhã”
(Richard Mathenhauer)

Da morte, apenas nascemos, imensamente.
(Vinícius de Moraes)

Talvez amanhã
O dia seja tão bonito como o de hoje.
Talvez o sol nos aqueça,
O céu esteja azul,
As folhas renovadas das árvores do jardim,
Preanunciando a primavera,
Recordem que sempre é preciso recomeçar.

Amanhã, porém, é dois de setembro.

Doerá a saudade como se fosse um muro de tijolos gastos
Contra o qual nos debatemos
E que nos separa da nossa alegria.
Doerá a saudade da perda do Amor.
Da perda não!,
Que o Amor jamais se perde:
Ele se ausenta do nosso
Cotidiano para tornar-se,
Noutra forma de estar e ser,
Uma presença abstrata em cada momento,
Na caminhada matinal,
No trabalho, no almoço,
No silêncio pacífico nas tardes de domingo.

Talvez amanhã
O dia seja tão bonito como o de hoje
Apesar da saudade.
Apesar da ausência.
Porém, mais que por consolação,
Uma verdade incontestável
Vem nos tocar o ombro suavemente:
Triste é quem não teve um céu azul,
Um sol assim que o aquecesse,
A beleza da primavera que
Se anuncia nas pequenas transformações.
Triste de quem não teve um Amor.

Talvez amanhã
O dia seja bonito – e triste.
Enquanto continuamos, os ausentes sobreviverão em nós,
Dialogarão, caminharão do nosso lado, ficarão em silêncio...
Feliz de nós que tivemos um Amor para recordar
Enquanto continuamos a viver.

Convites:

Homenageados do Sarau Literário Piracicabano de 15 de Setembro de 2009:

ANO DA FRANÇA NO BRASIL no Teatro Municipal de Piracicaba :

Charles Perrault (o escritor dos contos de fada ou "contos da mamãe gansa"),

Charles-Pierre Baudelaire (poeta) e a participação especial de Cláudio Costa no acordeon tocando músicas francesas.

2)

Olá, sou eu de novo, pedindo votos. A minha banda Mazzaropi Contra o Crime está concorrendo na Garagem do Faustão e precisamos de uma ajudinha.

Apenas entre no link

http://domingaodofaustao.globo.com/Domingao/Garagemdofaustao/0,,16989-p-V1107028,00.html)

(...e mande bala, lógico, se estiver de acordo.

Se possível, passe o link à sua lista de e-mails.

Ficarei muito agradecido!

Erich Vallim Vicente